QUESTÃO DE LÓGICA

Favoritos vencem nas quartas de final da UEFA Champions League com destaque para o Bayern que derrotou a Juventus com autoridade. Os resultados reduzem a competição europeia a confronto entre Espanha e Alemanha e expõem as fragilidades e limitações das equipes italianas, conforme apontou o técnico Antonio Conte.

 

 

Belo mosaico da torcida do Borussia Dortmund
Belo mosaico da torcida do Borussia Dortmund

Juventus FC 0x2 FC Bayern

Turim, Itália

 

Era consenso por parte de todos do lado da Vecchia Signora que a melhor chance de buscar o placar agregado desfavorável em dois gols após a partida de Munique seria anotando um gol rapidamente.

Celebração bávara em Turim
Celebração bávara em Turim

Mas o gol precoce não veio e a Juventus não conseguiu ter desenvoltura ou domínio territorial, características que predominaram por parte do Bayern na 1ª perna da série eliminatória.

Sim, houve aquele momento impetuoso inicial promovido pelos anfitriões, mas nada que pudesse bater os comandados de Jupp Heynckes, recém campeões nacionais.

Para piorar, a Juventus ia a campo sem os suspensos Arturo Vidal e Stephan Lichtsteiner, dando oportunidade para o montenegrino Mirko Vucinic jogar desde o início.

De concreto para a Juve somente uma cobrança de falta batida por Andrea Pirlo com grande defesa de Manuel Neuer.

Na 2ª etapa, o Bayern continuou seu processo de superioridade e finalizou a série com gols de Mario Mandzukic aos 64 minutos e Claudio Pizarro no apagar das luzes.

Classificação inquestionável do Bayern, a equipe que obteve o resultado mais contundente nas quartas de final da UCL. Agora, os bávaros buscam redenção após deixar escapar pelos dedos o título continental no ano passado jogando em casa.

Já pelos lados piemonteses, a derrota da Juventus por 4×0 no placar agregado escancara de vez o momento delicado pelo qual passa o futebol italiano.

Tal é a gravidade da crise italiana que basta relembrar ser a Juventus, recentemente reestruturada após envolvimento em escândalos seguido de rebaixamento, o melhor que a Bota produz em termos futebolísticos na atualidade.

De fato, a Itália não vê nenhum de seus clubes chegarem ao topo desde os idos de 2010 quando a Internazionale de José Mourinho derrotou os poderosos Barcelona e o próprio Bayern na reta final daquela edição do torneio.

Situação calamitosa que motivou o treinador da Juve, Antonio Conte, a fazer declarações fortes no pós-jogo desta quarta-feira. Eis algumas delas:

 

Infelizmente, a situação é esta: não vejo a possibilidade de sucesso na Champions por parte de nenhuma equipe italiana por muitos anos. Criou-se um gap enorme.”

 

“Faz-me rir quando ouço que, com duas ou três contratações, seja possível vencer a Champions. O futebol italiano está parado e isso deve ficar claro para todos. No exterior, eles fazem investimentos e projetos, entre nós fala-se de árbitros e da atriz com a qual algum jogador sai. Quando venci a Champions com Lippi, a equipe de referência era o Ajax que trabalhava com os jovens. Agora, o Ajax não existe: há as superpotências como o Real, Bayern, Barcelona, PSG, equipes que têm um faturamento de 400 milhões. Creio que todos juntos devemos mudar o futebol italiano: e quando digo “todos”, penso em nós, nos clubes, nos torcedores, na mídia, nas instituições. Caso contrário, não se chegará a lugar algum. A última copa foi ganha pela Inter há 3 anos. A última semifinal a quando se remete? Esperamos que a Lazio elimine o Fenerbahce, mas a situação é essa. E é melhor olhar a realidade em vez de pensar em bobagens”.

 

Antonio Conte
Antonio Conte

Antonio Conte colocou o dedo na ferida. Agora, faz-se mister que todos os envolvidos no espetáculo ajam para que o calcio retome os caminhos de seus tempos de glória de outrora. Caso contrário, os italianos continuarão a ver as fases agudas dos torneios europeus de clubes pela televisão.

 

 

FC Barcelona 1×1 Paris Saint Germain FC

Barcelona, Espanha

 

Após empate em 2×2 no Parc des Princes de Paris, o poderoso Barcelona deparar-se-ia com situação inusitada: a ausência do maestro Lionel Messi, além dos desfalques no sistema defensivo como o capitão Carles Puyol.

Chute fulminante de Pedro Rodríguez para marcar
Chute fulminante de Pedro Rodríguez para marcar

Tito Vilanova viu-se obrigado a lançar Cesc Fábregas a campo como fizera no 2º tempo do jogo de Paris. O Barça mostrou-se, até certo ponto, acéfalo, sem referência e, apesar da tradicional posse de bola superior, teve que conviver com oponente atrevido, que buscou atacar os temidos anfitriões. Algo de novo e inusitado se forem resgatados pela memória os desempenhos de outros adversários em condições semelhantes.

Boas atuações de Ezequiel Lavezzi, Lucas Moura e Javier Pastore, além de Zlatan Ibrahimovic efetuar a função de pivô em diversas ocasiões.

Lucas Moura marcado por Gerard Piqué e Jordí Alba
Lucas Moura marcado por Gerard Piqué e Jordí Alba

E foi com Javier Pastore que surgiu o gol do PSG em rápido contra-ataque após assistência de Ibrahimovic aos 50 minutos de jogo. Início auspicioso de 2º tempo para os visitantes.

Gol que obrigou Tito Vilanova a lançar Messi no jogo, ainda que em condições físicas precárias devido à contusão surgida em Paris.

Leo Messi não estava no melhor da forma, mas fez o suficiente para participar de forma importante no gol da classificação do Barcelona. Em troca de passes na região da área parisiense, Messi achou Pedro Rodríguez que fuzilou chute no canto do goleiro Salvatorte Sirigu.

Lionel Messi teve que entrar em campo sem condições para resolver
Lionel Messi teve que entrar em campo sem condições para resolver

No final, classificação do Barcelona, justa sim, mas com maiores dificuldades que em ocasiões anteriores.

Viu-se na equipe eliminada do PSG nítida evolução em comparação ao início da temporada atual. Méritos para o experiente treinador Carlo Ancelotti que está transformando um amontoado de grandes nomes em time de verdade. O PSG é time para vencer futuramente. Agora, cabe aos parisienses confirmarem o favoritismo no âmbito doméstico ganhando a Ligue 1.

 

 

Galatasaray AS 3×2 Real Madrid CF

Istambul, Turquia

 

Com folgado placar agregado de 3×0 a seu favor, o Real Madrid aparentemente finalizou a série contra o Galatasaray quando o artilheiro da UCL, Cristiano Ronaldo, marcou logo aos 7 minutos de jogo.

Galatasaray 3x2 Real Madrid
Galatasaray 3×2 Real Madrid

Entretanto, como diria mais tarde o técnico José Mourinho, o Real Madrid enfrentou não somente 11 jogadores do Galatasaray, mas 50 mil, referindo-se aos torcedores mais que fanáticos do clube turco.

O Madrid ainda levaria o 1º tempo a banho-maria, mas sentiria a força dos fãs na etapa final, sem mencionar toda a habilidade de alguns dos mais experientes jogadores do time anfitrião colocada em ação.

Três belos gols fizeram o quase impossível que foi recolocar o Galatasaray na disputa pela vaga semifinal.

Aos 58 minutos, o marfinês e ex-Arsenal Emmanuel Eboue finalizou verdadeiro míssil no gol de Diego López.

O momento de pico de pressão dos anfitriões viria entre os minutos 25 e 30 da etapa final com dois belíssimos gols de Didier Drogba e Wesley Snijder.

José Mourinho e Fatih Terim
José Mourinho e Fatih Terim

A dois gols de conseguir uma classificação histórica e presenciar verdadeiro fiasco das mesmas proporções, José Mourinho necessitou mexer para fortalecer a defesa. Para tal utilizou-se dos serviços de Raúl Albiol.

Daí em diante, o Madrid voltou a controlar o adversário e concluiu a disputa com novo gol de Cristiano Ronaldo nos acréscimos.

O craque português torna-se artilheiro isolado da edição atual da Champions com 11 gols.

O Real Madrid segue adiante com méritos, mas o Galatasaray do técnico Fatih Terim mostrou que não se deve desistir nunca.

 

 

Borussia Dortmund 3×2 Málaga CF

Dortmund, Alemanha

 

Após o 0x0 de Málaga com muitas chances desperdiçadas e evitadas pelo goleiro Willy Caballero, as expectativas eram de que o Dortmund concluiria seu trabalho com mais facilidade na Alemanha.

Momento de joia do Dortmund com gol final
Momento de joia do Dortmund com gol final

Errado, tudo mostrou-se diferente do esperado quando Júlio Baptista encontrou Joaquín Sánchez que abriu o placar.

A partir daí, qualquer empate significaria eliminação para os alemães.

A apreensão tomou conta do Signal Iduna Park e os fãs gritaram gol somente aos 40 minutos com Robert Lewandowski após assistência soberba de letra de Marco Reus.

bvb 3-2 mcfNo 2º tempo, a equipe espanhola manteve sua magnífica disciplina tática ao forçar os anfitriões a efetuar lançamentos de longa distância ineficazes. Quando o sistema defensivo não dava conta do recado, Caballero, em nova atuação de gala, resolvia a questão com grandes defesas.

As esperanças iam-se em Dortmund quando Eliseu, em posição fora de jogo, concluiu a gol. Desatenção do Málaga no posicionamento de seu atacante que poderia ter sido evitada. Para sorte do time espanhol, a arbitragem confirmou o gol.

Offside 1: Eliseu à frente da linha da bola
Offside 1: Eliseu à frente da linha da bola

A virada fantástica do time do técnico Jürgen Klopp chegaria nos acréscimos.

Martín Demichelis fazia partida perfeita até os 90 minutos de jogo quando errou o tempo de bola e não interceptou lançamento de longa distância pelo alto. Marco Reus empatou. Resultado que ainda classificava o Málaga.

Gol mal confirmado para um lado, gol mal confirmado para o outro lado.

Cruzamento da esquerda para a área com toda a linha de ataque Schwarzgelben em posição fora de jogo. A jogada prossegue com Felipe Santana empurrando a bola a gol. Delírio final em Dortmund com a classificação impossível alcançada.

Offside 2: todo o ataque do Borussia à frente da defesa do Málaga no cruzamento que originou o terceiro gol
Offside 2: todo o ataque do Borussia à frente da defesa do Málaga no cruzamento que originou o terceiro gol

Manuel Pellegrini diria que a arbitragem do escocês Craig Thompson ignorou qualquer lance faltoso após o segundo gol dos anfitriões. A imprensa espanhola tomou as dores do clube malaguenho, tendo como maior reclamação os impedimentos do terceiro gol do Borussia Dortmund, mas, fato é que dois gols foram irregulares, um para cada lado.

Mais um passo dado pelo treinador Jürgen Klopp e sua equipe rumo ao engrandecimento continental do clube.

As semifinais serão definidas por sorteio na próxima sexta-feira (12/4).

Será o confronto entre duas filosofias: a Liga Española, capaz de produzir verdadeiro futebol vencedor com uma infinidade de talentos atuando na própria Espanha ou na Inglaterra, mas que precisa resolver a questão do abismo financeiro e técnico atual existente entre a dupla Real Madrid-Barcelona e o restante dos clubes. Ainda que os clubes espanhóis estejam fazendo bela figura nas competições europeias, o campeonato nacional beira a monotonia em termos de disputa de título, quase sempre relegado à poderosa dupla. E a Bundesliga, que rivaliza com a Premier League inglesa o posto de melhor do mundo, tendo verdadeira estrutura à moda alemã de disciplina e eficiência na sua organização que se baseia em rigor administrativo, onde qualquer loucura financeira não é permitida e vivendo muito bem sem nenhuma espécie de mecenato estrangeiro.

Quem vencerá o duelo?


Warning: count(): Parameter must be an array or an object that implements Countable in /home/t990olqj3thq/public_html/wp-includes/class-wp-comment-query.php on line 405

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *