A MERECIDA VITÓRIA CORINTIANA EM UMA NOITE PARA O PALMEIRENSE ESQUECER

Foram 66% de posse de bola alviverde contra apenas 34% do alvinegro, além de 13 finalizações contra oito. Nos cruzamentos outra larga vantagem, 28X12. O Palmeiras acertou 372 passes contra somente 153 do Corinthians.

Não parece, mas o Corinthians mereceu vencer o primeiro derby do centenário duelo. Claramente inferior tecnicamente, quem ditou o ritmo do jogo foi justamente o dono da casa. E não haveria outro modo de encarar o campeão brasileiro se não imprimir um jogo físico, de poucos espaços e pressão na saída de bola. Caberia ao Palmeiras sair desse jogo claramente favorável ao adversário e colocar a bola no chão, distribuir melhor seu jogo com inversão de lados e mais movimentação do meio campo. Não o fez, quis entrar no duelo pegado do Corinthians e, neste quesito, perdeu feio.

Ainda assim Keno poderia ter definido o duelo na primeira etapa, quando mandou bola no travessão de Cássio e perdeu – sim, perdeu- gol feito após lançamento primoroso de Felipe Mello. O Corinthians tinha em Gabriel o expoente de seu jogo, vibrado, pegado e de superação. E quase saiu de uma linda pancada de fora da área do ex-palmeirense o gol corintiano.

E ao falar de Keno, entro nos (de) méritos individuais alviverdes. Keno foi muito mal, tanto no aspecto técnico quanto no aspecto moral. Por mais que no futebol seja prática corriqueira o uso de aspectos de persuasão, tem uma Sapopemba de diferença você simular uma falta e apontar para um jogador adversário uma culpa que não lhe compete, que foi exatamente o que Keno fez na lamentável e estapafúrdia expulsão de Gabriel. Um lance já exaustivamente discutido e que não deixa nenhuma margem para ponderação. Foi sim um erro crasso do juiz, que poderia tranquilamente ter dado ouvido aos conselhos do 4º árbitro e não o fez. E Keno, ao ver que o vermelho fora aplicado ao jogador errado, olha para o banco alviverde e comemora. Vexatório!

Para a segunda etapa, tendo um jogador a mais e com Felipe Mello com um corte muito feio no supercilio, era muito mais jogo Eduardo Batista manter Raphael Veia no jogo para ser o armador do time e entrar com Guerra na vaga de Felipe Mello. As trocas de Eduardo foram basicamente seis por dúzia, já que na sequencia Felipe Mello pediu para sair e em seu lugar ele mandou Thiago Santos. Taticamente nenhuma mudança ao jogo de ataque contra defesa que virou a partida, onde o Palmeiras teve pouca ou quase nenhuma efetividade. Uma cabeçada de Keno a queima roupa em que Cássio fez grande defesa e um gol impedido de Mina em uma infindável maratona de cruzamentos quase sempre muito bem anulados pela defesa corintiana.

No mesmo dia e que o Palmeiras viu Lucas Barrios ir para o Grêmio, viu também Alecssandro entrar e não fazer absolutamente nada, além de tomar um cartão amarelo merecido, em mais uma substituição sem nenhum acréscimo tático de Eduardo Batista.

E foi no gol corintiano, onde a falha de um Guerra que claramente não entendeu ainda o que significa um derby contra um vigoroso Maicom, que em seu bote certeiro praticamente deu o gol da vitória ao alvinegro marcado por Jô, fica clara a maneira com que Fábio Carille preparou o seu Corinthians para encarar um derby centenário como ele deve ser, enquanto o Palmeiras de Eduardo Batista, com certa empáfia, entrou para disputar apenas mais um jogo de Campeonato Paulista.

jogo

MELHORES DO BRASILEIRÃO 2016 – FEROZES FC

Em uma temporada de baixas para quem vinha de temporadas em alta, queda para quem jamais havia sentido o gosto do rebaixamento e da ratificação de uma hegemonia que há muito tempo vinha correndo riscos, o Brasileirão 2016 distribuiu destaques por todos os cantos, em quase todas as equipes, mesmo as que flertaram e fecharam com o rebaixamento, mas, sobretudo, no campeão e nas equipes que lhe acompanharam na disputa.

O time do FFC faz desde 2008 suas seleções com os melhores dos campeonatos, e 2016 não será diferente. Seguem os times, os técnicos e os destaques do BR16 para a equipe FFC e convidados ilustres:

 

João Paulo Tozo (Ferozes FC)

Jailson (Palmeiras); Jean (Palmeiras), Geromel (Grêmio), Vitor Hugo (Palmeiras) e Fábio Santos (Atlético MG); Renato (Santos), Moisés (Palmeiras); Dudu (Palmeiras), Diego (Flamengo) e Robinho (Atlético MG); Gabriel Jesus (Palmeiras).

Técnico: Cuca (Palmeiras)

Craque do Brasileirão: Dudu (Palmeiras)

 

Márcio Viana (Ferozes FC)

Jailson (Palmeiras); Victor Ferraz (Santos), Geromel (Grêmio), Mina (Palmeiras) e Jorge (Flamengo); Tchê Tchê (Palmeiras), Moisés (Palmeiras), Arrascaeta (Cruzeiro) e Diego (Flamengo); Dudu (Palmeiras) e Gabriel Jesus (Palmeiras)

Técnico: Cuca (Palmeiras)

Craque do Brasileirão: Dudu (Palmeiras)

 

Almir Breviglieri Jr. (Ferozes FC)

Sidão (Botafogo); Victor Ferraz (Santos), Geromel (Grêmio), Vitor Hugo (Palmeiras) e Zé Roberto (Palmeiras); Willian Arão (Flamengo), Moisés (Palmeiras), Dudu (Palmeiras) e Diego Ribas (Flamengo); Ricardo Oliveira (Santos) e Gabriel Jesus (Palmeiras)

Melhor técnico: Alexi Stival “Cuca” (Palmeiras)

Craque do Brasileirão: Gabriel Jesus (Palmeiras)

 

 Felipe Oliveira (Ferozes FC)

Jailson (Palmeiras); Jean (Palmeiras), Mina (Palmeiras), Geromel (Grêmio) e Jorge (Flamengo); Renato (Santos), Moisés (Palmeiras) e Diego (Flamengo); Dudu (Palmeiras), Robinho (Atlético MG) e Gabriel Jesus (Palmeiras)

Técnico: Cuca (Palmeiras)

Craque do Brasileirão: Moisés (Palmeiras)

 

Leonardo Miranda (do Blog Painel Tático, do GloboEsporte.Com)

Jailson (Palmeiras); Jean (Palmeiras), Geromel (Grêmio), Vitor Hugo (Palmeiras) e Zeca (Santos); Renato (Santos), Moisés (Palmeiras), Dudu (Palmeiras), Diego (Flamengo) e Robinho (Atlético MG); Gabriel Jesus (Palmeiras)

Técnico: Dorival Jr. (Santos)

Craque do Brasileirão: Dudu (Palmeiras)

 

Celso Cardoso (TV Gazeta)

Jailson (Palmeiras); Victor Ferraz (Santos), Geromel (Grêmio), Mina (Palmeiras) e Zeca (Santos); William Arão (Flamengo), Tche Tche (Palmeiras), Moises (Palmeiras) e Lucas Lima (Santos); Marinho (Vitória) e Gabriel Jesus (Palmeiras)

Técnico: Dorival Jr (Santos)

Craque do Brasileirão: Moisés (Palmeiras)

Pedro Molina (Ferozes FC)

Vanderlei (Santos); Victor Ferraz (Santos), Mina (Palmeiras), Rever (Flamengo) e Jorge (Flamengo); Renato (Santos), William Arão (Flamengo), Tche Tche (Palmeiras) e Dudu (Palmeiras); Robinho (Atlético MG) e Gabriel Jesus (Palmeiras)

Técnico: Cuca (Palmeiras)

Craque do Brasileirão: Gabriel Jesus (Palmeiras)

————————————————————————————

 

Pedro Molina elencou os melhores da temporada ,e todos nós do Ferozes FC endossamos a justíssima homenagem.

Seleção da Temporada: Danilo, Caramelo, William Thiego, Neto, Dener Assunção, Josimar, Gil, Cleber Santana, Ananias, Tiaguinho, Kempes, Bruno Rangel…

Técnico: Caio Junior.

ffc

O MAIOR EXEMPLO QUE FUTEBOL PRODUZIU PARA O MUNDO

Neste mundo que nunca foi tão futebol como ontem, costumeiramente é dito sobre o simulacro de vida que o futebol representa, seja para o (muito) bem ou para o muito mal. 

No mesmo dia em que vivenciamos dois povos se tornando um e transformando em um, um mundo de pessoas que entende essa dor e produz tantas demonstrações de amor, tivemos também os shows de horrores, de desamores e da mais completa falta de empatia vindo lá de Brasília, vindo da CBF, de dirigente de clube. E se buscarmos tem mais, mas nem precisamos nos dar ao trabalho de buscar nada para saber o quão maiores foram e continuarão a ser as demonstrações de humanidade e irmandade. 

Sempre foi, mas será muito mais de agora em diante, muito mais que um esporte. 

Eu não sei o quanto o mundo sai diferente disso tudo. Mas não tenho dúvidas que para quem precisar, sai disso tudo o maior exemplo que o futebol já produziu para o mundo. 

#ForçaChape #GraciasColombia

 

chapecoense atletico nacional
chapecoense atletico nacional

NOVE VEZES CAMPEÃO DE TUDO

Restando apenas duas rodadas para o término do já histórico Brasileirão 2016, somente Palmeiras e Santos podem chegar ao título tão aguardado. E será histórica essa edição de 2016 pois sairá dela o desempate e a supremacia dentro do futebol brasileiro. São eles, Palmeiras e Santos, ambos com 8 títulos de campeonatos brasileiros, os maiores vencedores dos certames nacionais. Ao final dessa temporada somente um deles terá 9 conquistas, o enea tão aguardado e já gerador de tanta discussão.

Discussão já debatida em 2010, quando dei minha opinião sobre a unificação:

http://ferozesfc.blogspot.com.br/2010/12/chazinho-de-coca-comparadando-o.html

Você pode ser de enea, pode ser de penta e pode ser de tri, mas não pode ir contra uma história que não começou a ser escrita depois que você nasceu e nem é endossada por nomenclaturas adotadas pela TV ou pelos jornais.

Se o seu negócio é nomenclatura e isso torna Roberto Gomes Pedrosa, Taça Brasil e Campeonato Brasileiro coisas distintas, então está correto pensar que o Palmeiras será pentacampeão brasileiro, caso conquiste o pontinho que lhe resta em dois jogos a disputar. Como também será correto afirmar que o Santos será tricampeão, caso o Palmeiras perca seus dois últimos jogos e o Peixe garanta os seis pontos em disputa.

Aqui surge um problema para o amigo da nomenclatura, já que desde 1971 com a adoção do “novo” campeonato brasileiro, tivemos anos em que o Campeonato Brasileiro foi, na verdade, Copa União e João Havelange. Seus campeões não são, portanto, campeões brasileiros? Quais foram os campeões brasileiros nessas temporadas?

Você pode ser também dos que acham que a fórmula da disputa é que define o alinhamento histórico da conquista. Tendo em vista que mesmo considerando como campeonato brasileiro somente as disputas a partir de 1971, as regras, o número de participantes e os formatos de disputa foram os mais variados possíveis, desde sistemas eliminatórios, sistemas mistos de grupos e pontos corridos. Mesmo dentro dos atuais pontos corridos o número de clubes participantes começou de um jeito e hoje já é outro.

Se você é de fórmula e quer enquadrar Palmeiras e Santos em suas definições de campeões brasileiros, então para você o Palmeiras tem quatro títulos de campeonato misto e agora está perto de conquistar o primeiro em pontos corridos. Já o Santos não tem nenhum em formula mista, no entanto, briga pelo seu terceiro em pontos corridos.

O que não podem nem o amigo fã de nomenclatura e nem o camarada das fórmulas é desprezar a história. E é ela quem sempre disse, antes mesmo da CBF unificar tudo, que Palmeiras e Santos são os únicos clubes brasileiros a terem vencido todos, absolutamente todos os campeonatos que definiram os campões brasileiros ao longo da história do nosso futebol. Uma história que não passou a ser escrita em 1971 nem tampouco no ano em que você nasceu.

Uma história que te obriga a aceitar uma regra óbvia – a não ser que em algum momento sejam retomados o Robertão ou a Taça Brasil, serão estes dois clubes, Palmeiras e Santos, que brigam em 2016 pelo eneacampeonato, se você é de enea, pelo penta, se você é de penta, ou pelo tri se você é de tri, para todo o sempre, os únicos clubes brasileiros a terem vencido absolutamente tudo o que já se disputou de campeonato nacional.

E será somente um deles, a partir do próximo domingo ou ao término da rodada final, o eneacampeão brasileiro. Se preferir: o único clube de futebol nove vezes campeão do Brasil.

 

001-ademir-embaixo-das-pernas-de-pele

ROBERTO RIVELLINO: O REI DO ELÁSTICO!

Ídolo do Corinthians, ídolo do Fluminense, ídolo da Seleção Brasileira, ídolo de Diego Maradona e, não bastasse tudo isso, o rei do elástico!

Roberto Rivellino

Sim, o elástico, aquele drible desconcertante em que o jogador inicia o movimento de drible sobre o adversário levando a bola para um lado, mas, repentinamente, executa mudança de rota abrupta para a direção oposta, deixando o adversário desnorteado.

Foi executando tal jogada, entre outras tantas dentro de vasto repertório comum somente aos super craques que Roberto Rivellino consagrou-se mundialmente como um dos maiores de todos os tempos. Sem mencionar os títulos, obviamente.

Em um dos mais belos gols da era de ouro do futebol brasileiro, hoje em frangalhos, Roberto Rivellino eternizou a jogada em clássico entre Fluminense e Vasco, no velho e verdadeiro Maracanã, ao marcar o gol da vitória tricolor executando elástico sensacional sobre o grande e saudoso zagueiro vascaíno Alcir Portela (campeão brasileiro em 1974) em partida válida pelo Campeonato Carioca de 1975.

Eram os tempos da “Máquina Tricolor” hegemônica no biênio 1975-1976.

Confira a mágica eterna de Riva.

[youtube]https://www.youtube.com/watch?v=8G6ixgTYdc0[/youtube]

Futebol e Bons Sons!