D-0-capa

Grupo D – Argentina, Islândia, Croácia e Nigéria – Análise

D-02-análises

Não existe nenhum grupo da morte nessa Copa, mas se me obrigarem a dar esse título à algum grupo, provavelmente daria para o D. Uma seleção sul americana com uma camisa que entorta qualquer varal, os talentosíssimos croatas, uma Islândia em franca ascensão com o apoio de uma torcida apaixonada e apaixonante e a sempre difícil, caótica e talentosa seleção nigeriana. Quatro forças que podem transformar a batalha por duas vagas em uma experiência incrível para quem acompanhar essa Copa.

Argentina e Nigéria parecem ter imãs, desde 1994 já caíram quatro vezes no mesmo grupo, o encontro não tem sido muito positivo para os africanos, que perderam todas as partidas, tá certo que sempre por um gol de diferença, mas as dificuldades criadas contras os hermanos param por aí, resta saber se será diferente desta vez. Falando em Argentina, essa sim tem tudo o que precisa para ser primeira disparada do grupo, seleção muito instável defensivamente, mas que conta, sem sombra de dúvidas, com o ataque mais mortal e talentoso do mundo hoje, com certeza uma das favoritas a vencer o mundial.

Croácia e Islândia são as sensações europeias do presente e do passado, a Croácia nunca mais conseguiu repetir o feito de 1998, quando encantou o mundo com um bom futebol e conquistou o terceiro lugar, já a Islândia quer ver o quão longe irá a sua jornada Viking, que começou com uma Euro surpreendente, a afirmação de uma boa seleção com a conquista da vaga direta para a Copa e a prova de fogo para o menor país do mundo a se classificar para um mundial, sobreviver à um grupo cheio de armadilhas e de seleções tão fortes quanto ela.

D-argentina

 

 

A Argentina não teve vida fácil nas eliminatórias sul americanas, podemos dizer facilmente que se não fosse um tal camisa 10 da seleção, talvez os hermanos passariam o vexame de não se classificarem para a Copa na Rússia. Mas eles chegaram e tem uma missão difícil, quebrar um jejum de 25 anos sem títulos, ou 32 anos sem vencer uma Copa do Mundo. Será, provavelmente, a última vez que jogadores como Di Maria, Agüero, Banega ou Higuaín, terão a chance de vencer uma Copa. É certo que bateu na trave na última vez, uma final equilibradíssima contra a Alemanha que acabou sendo definida em detalhes como o gol bizarro perdido por Higuaín ou o lance individual de Mario Götze que acabou com um golaço que decidiu a parada para os germânicos, mas no fim das contas, a realidade é que passou da hora de uma seleção gigantesca como a Argentina levantar um caneco.

Por isso não tem jeito, as esperanças todas recaem sobre esse tal camisa 10, Lionel Messi, um dos maiores gênios da bola tem a difícil missão de fazer chover em um time que defensivamente é fraco e que não consegue achar uma solução para esse problema a pelo menos 16 anos. A quanto tempo você lembra da conversa de que o ataque argentino é fantástico, já a defesa…Pois é, esse é o grande desafio de Jorge Sampaoli, equilibrar um time que conta com o ataque mais talentoso do planeta e uma defesa fraca, do goleiro ao volante. O amistoso contra o pífio Haiti não pôde nos mostrar alguma evolução e assim será contra Israel em um polêmico amistoso que acontecerá em alguns dias, mas a favor da Argentina existe o fato de terem sido a única seleção a derrotar o Brasil na era Tite, mesmo tendo levado uma aula de futebol no Mineirão. A coisa anda bem instável do lado de lá da fronteira, mas os talentos existem aos montes no nosso rival, por isso, recai sobre Sampaoli a ingrata missão de achar a firmeza e o equilíbrio necessários em um time que precisa ganhar uma Copa do Mundo, aguardemos para as próximas cenas deste grande drama argentino em terras russas.

D-islandia

 

 

Uuuuuh!!! Esqueça a geração belga, CR7, o brilhante jogo defensivo da Itália ou o futebol moderno da França, quando se falar da última Euro em 2016, a primeira coisa que lembraremos será a seleção da Islândia e a sua incrível torcida. Estima-se que 10% da população islandesa irá à Rússia acompanhar a última sensação da Europa, algo perfeitamente compreensível, uma vez que, além de ser o menor país na história a se classificar para uma Copa, conta com um bom time, que não para de empolgar a fantástica torcida da Islândia que empurra a sua seleção com a mais fantástica ainda saudação viking, com as palmas e um grito em uníssono que fazem tremer qualquer adversário grande.

A troca de comando na seleção não abalou o time, aliás, parece ter feito melhorar a equipe, que agora apresenta mais volume de jogo e melhores alternativas, o que resultou em uma campanha, que apesar de dificuldades como a perda por contusão do seu atacante Sigthórsson, atuando pelo Galatasaray, conseguiu a classificação direta ficando em primeiro lugar no seu grupo durante as eliminatórias europeias, deixando para trás Ucrânia, Turquia e Croácia. Essa última caiu no mesmo grupo da Copa e muito provavelmente, a segunda vaga será decidida na última rodada em um confronto direto que pode desempatar a série dessa jornada que conta com uma vitória para cada lado durante as eliminatórias. De qualquer forma, com exceção de Sigthórsson, a base do time continua a mesma da última Euro, resta saber se essa ascensão que encanta o mundo futebolístico será interrompida ou continuará gerando fãs ao redor do globo, porque carisma e encanto, esta seleção tem de sobra.

D-croacia

 

 

Se algo que uma Copa do Mundo mostrou de forma clara é que grupos rachados, com relacionamentos complicados, dificilmente conseguem obter sucesso, sequer passam da primeira fase. E essa é a realidade do bom time croata, uma seleção técnica, de muita força e organização, com uma camisa nova, mas que já tem algum peso, muito pela campanha incrível realizada na Copa de 98, na França, onde conseguiu um terceiro lugar encantando o planeta inteiro e eliminando gigantes como a Alemanha e a Holanda.

Assim como a de 98, essa geração croata é excepcional, porém já está envelhecida e terá a sua última chance de conquistar algo grande, o que fica ainda mais complicado quando o principal adversário está dentro dos vestiários, uma divisão interna e brigas que envolvem jogadores, diretores e até mesmo políticos tira a paz do time e pode ter reflexos negativos em uma Copa. Se conseguir superar isso, terá em campo uma forte seleção, o que pôde ser observado muito bem no primeiro tempo do jogo contra o Brasil, onde conseguiu dificultar a saída de bola não muito criativa do adversário e ocupou o campo ofensivo por boa parte dos primeiros 45 minutos. Jogadores importantes que atuam por grandes clubes na Europa não faltam, Modric, Rakitic, Mandzukic, Perisic e Kalinic são ótimos jogadores, rodados e que com certeza podem reestabilizar esse time em campo, complicar a vida da Argentina e de quebra acabar com o sonho islandês.

D-nigeria

 

 

Não sabemos o quão longe a Nigéria irá, mas a seleção africana já fez um barulho enorme nessa Copa sem nem entrar em campo, com o lançamento de um uniforme maravilhoso que se esgotou na loja em questão de horas. Estilo nunca faltou aos nigerianos, um povo sofrido na mesma proporção que são criativos, mas conseguirá a Nigéria encantar em campo tanto quanto o seu fardamento encantou fora dele? Bom, algumas amostras já foram dadas pelo time africano mais experiente em copas, como por exemplo, a vitória contra a Argentina, terceira adversária da fase de grupos, em solo russo, o título continental africano 6 anos atrás e a classificação para a Copa em um grupo muito difícil, que contava com Zâmbia, Camarões e Argélia, os dois últimos presenças constantes em Copas.

A última Copa foi um pouco turbulenta para a Nigéria, não só pela eliminação nas oitavas para a França, mas também por conta de brigas e boicotes dos atletas causados por problemas com o pagamento de premiações dias antes do jogo decisivo contra a França pelas oitavas de final. Pegou tão mal esse episódio que a Federação Nigeriana pediu um adiantamento de verbas à FIFA, em parceria com a CAF, e já deixou certo todo o orçamento de premiações, inclusive adiantando alguns bichos. Tal fato ajudou a estabilizar a seleção nigeriana, junto à renovação de contrato do treinador alemão Gernot Rohr, que vem fazendo um grande trabalho com os nigerianos. A dois anos no comando, o treinador perdeu apenas uma partida, armou o time com um poderoso e efetivo contra-ataque, montou um sistema defensivo agressivo e muito competente e deu ao Obi Mikel a função de organizar o jogo, explorando sua criatividade e encorpando a equipe da Nigéria com um futebol bem organizado. O grupo se fez muito complicado para o time africano, mas a seleção possui todos os requisitos para se tornar uma agradável surpresa nessa Copa de 2018.

os-craques

Argentina – Lionel Messi

D-03-destaque-argentina

Quais títulos definem um gênio, um grande jogador? Se esse jogador ainda é tido como o maior da história por uns, o que resta a ele fazer? Pelé venceu 3 copas do mundo, uma a mais que a Argentina e o que de fato isso significa? Que Messi precisará operar um milagre até 2026 para tentar provar ao planeta que ele é o maior da história com a bola nos pés? Ou as coisas são um pouco mais complexas do que isso? Tenho a impressão de que essas perguntas jamais começarão a ser respondidas se Messi sequer levantar uma taça de Copa do Mundo pois, no fim, quando todos os argumentos esgotarem, esse será o desempate, esse será o questionamento que finalizará a discussão, e aí nem em terras argentinas Messi seria unanimidade como o maior da história, ficaria atrás de Maradona.

Messi pode ser considerado já, um dos maiores da história mas, se quer ser o melhor de todos os tempos, o tempo corre contra o argentino. Não vencer uma Copa do Mundo será sempre um fantasma, um carrasco que o jogará para um degrau abaixo do Olimpo onde reinam absolutos Pelé e um pouco abaixo, Maradona. Cruel para o canhoto que pode ter em 2018 o seu “agora ou nunca”, certamente está em melhor forma do que estará em 2022. De tantos questionamentos, a grande pergunta é: o que um gênio como Messi poderá fazer com uma última chance? O que um gênio como ele poderá espremer dessa Copa? Veremos. Fato é que essa é a última barreira para que ele entre no seleto e minúsculo clube dos maiores esportistas de todos os tempos, de qualquer maneira, é um privilégio para essa Copa a presença de Messi, que trata todas essas questões com muita maturidade ao afirmar que não é uma boa ideia deixar o seu desejo virar uma obsessão, pois a pressão cresce e as possibilidade de tudo dar errado só aumentam, ouviu Neymar?

Islândia – Sigurdsson

D-03-destaque-islandia

Os momentos foram de tensão para a estreante em mundiais, Islândia, e o meia atacante Gylfi Sigurdsson. Há 3 meses do mundial, o jogador do Everton sofreu uma lesão no joelho que por pouco não o tirou o sonho de disputar uma Copa da Mundo, mas o destino foi generoso com ele na mesma proporção que foi cruel com outros jogadores. Sigurdsson voltou a atuar no dia 02 de Junho por meia hora em um amistoso contra a Noruega. E foi uma volta triunfal, a torcida fez o grito viking, o jogador entrou em campo e ao final da saudação o craque, em questão de segundos, foi lá e balançou as redes.

Bom presságio para o meia que terá a dura missão de estrear em copas tendo como adversário Lionel Messi e seus hermanos bicampeões do mundo. Tudo certo para quem se acostumou a viver abaixo de zero e se destacando nas ligas inglesas abaixo da Premier League. Com ótima movimentação e caindo bem para ambos os flancos, o meia é muito bom nas articulações e decisivo ao distribuir bem o jogo e chegar de trás marcando alguns gols, um deles, inclusive, assegurou a vaga da Islândia em seu primeiro mundial. Um herói nacional? Pode apostar que sim.

Croácia – Luka Modrić

D-03-destaque-croacia

Peça importante no time mais vencedor do momento, o Real Madrid, Luka Modrić é um exímio camisa 10, aliás, deu a estabilidade que a camisa 10 do Real não via a muito tempo. Ótimo finalizador, bate na bola como poucos com ambas as pernas e sua capacidade de decidir é tamanha que na seleção croata o meia joga ainda mais adiantado do que joga no clube merengue, muito mais próximo dos atacantes e das chances de definir um jogo.

Terá pela frente uma batalha árdua para conduzir a Croácia rumo às oitavas, mas ainda sim um desafio muito mais leve do que tem enfrentado nos tribunais croatas por falso testemunho em um caso de corrupção envolvendo transferências no futebol local, pode pegar até 5 anos de prisão, mas isso não parece ter o afetado dentro de campo. O jogador é o principal responsável pelas articulações na equipe croata, o que pode mudar o destino da seleção na competição, uma vez que Modrić vive o melhor momento de sua carreira.

Nigéria – Obi Mikel

D-03-destaque-nigeria

O meia que atuou por 10 anos no Chelsea e marcou apenas 6 gols, tomou o caminho da China, mas isso não o fez perder importância na seleção nigeriana, pelo contrário, o técnico alemão Gernot Rohr o deu a braçadeira de capitão e aproveitou de sua técnica para o lançar um pouco mais a frente nas escalações da seleção africana, dando à Obi Mikel a função de armar as jogadas, distribuir e organizar o jogo da Nigéria, função que desempenhava com grande criatividade no início de sua carreira, a ponto de chamar a atenção de grandes clubes e ser o centro de uma batalha entre Chelsea e Manchester United pela sua contratação, Chelsea levou a parada, mas com Lampard voando, sua posição foi alterada e ele teve que se adaptar à função de volante.

De qualquer forma, a alteração de posição, voltando as origens de meia armador, foi ótima para Mikel e deu bons resultados durante as loucas eliminatórias africanas. É peça importante por ser o ponto de equilíbrio de uma equipe muito jovem, cadencia bem o jogo e por vezes é a base sólida de um time que comete alguns erros bobos no decorrer dos 90 minutos. Já que falamos em voltar às origens, é bom lembrar que Obi Mikel foi bola de prata no mundial sub-20 de 2005, perdendo a bola de ouro para um colega de grupo meio desconhecido, Lionel Messi. O reencontro em São Petersburgo promete.

D-01-forcas D-00-jogos

Sons-D

ARGENTINA
Ana Helder – Chabond

ISLÂNDIA
Maggi – Pull The Trigger

CROÁCIA
Josip Bocek – Dinamit

NIGÉRIA
William Onyeabor – Fantastic Man

 


Warning: count(): Parameter must be an array or an object that implements Countable in /home/t990olqj3thq/public_html/wp-includes/class-wp-comment-query.php on line 405

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *