O QUE O TÍTULO DA RECOPA NOS EVIDENCIA?

Mais uma vez, esta seção conta com a colaboração do amigo Samuka, que assistiu no Pacaembu a final da Recopa, e a quem encomendei este texto, que ficou incrível. Confiram.

Por Samuka Araújo

É impressionante como a Conmebol tem a capacidade de desvalorizar seus produtos! Marcar para o mesmo dia e horário os jogos de duas competições continentais é o mais recente exemplo do fogo amigo da confederação que “cuida” do futebol na América do Sul.

A Recopa Sul-Americana não tem, obviamente, o mesmo valor de uma Copa Libertadores, mas tem sua importância. No caso do Corinthians, a Recopa 2013 teve tripla importância. Primeiro, por ser uma disputa direta com um rival (freguês, mas rival). Em segundo lugar, por ser um título internacional, algo que até pouco tempo era o calcanhar de Aquiles do Timão. Por fim, por reafirmar a capacidade do grupo corintiano que, mesmo com modificações de algumas peças titulares, mantém seu padrão tático e técnico.

A perda de importantes jogadores foi suprida com boas peças de reposição trazidas recentemente (não contemos o Ibson) ou que já estavam em período de gestação, como é o caso do bom volante Guilherme. A evolução do substituto de Paulinho demonstra que a saída do ídolo será sentida, mas com menos intensidade do que imaginávamos. Outro que encontrou seu espaço foi Romarinho. O garoto se confirma como um jogador que não é craque, mas é extremamente importante em jogos decisivos. Uma espécie de Tupãnzinho do século XXI! Ele tem jogado bem taticamente, mas ainda precisa fechar um pouco mais na marcação, ao estilo Jorge Henrique. Outro jogador decisivo, Emerson renovou contrato e voltou a jogar bem. Que seus últimos dois anos de carreira sejam tão bons e vitoriosos quanto as duas temporadas que ele já jogou no Timão. E o que falar de Danilo? Suas jogadas e gols falam por si…

Chegar próximo ao nível técnico do time que em 2012 conquistou o continente e o mundo ainda requer tempo. Porém, um dos pontos altos do Corinthians, a liderança de Tite sobre o grupo, ainda é forte, mesmo após os problemas com Jorge Henrique ou depois de ter colocando jogadores como Chicão e Pato no banco. Tais elementos demonstram que o segundo semestre pode ser promissor e alcançar o objetivo de jogar a quinta Libertadores seguida é algo tangível.

                “Chegar ao topo é difícil e mais difícil é se manter lá”, diria o clichê. O Corinthians 2013 já faturou dois títulos, mas não atingiu seu maior objetivo: repetir as importantes conquistas do ano anterior. Conquistar, novamente, uma vaga para a Taça Libertadores é o mínimo que o torcedor espera do segundo semestre. Mal acostumado que está, aguarda a referida vaga com as mãos para cima, pronto para levantar mais um troféu, seja ele da Copa do Brasil ou do Brasileirão. Menos que isso, deixará a sensação de que 2013 poderia ter sido melhor. Quem mandou nos acostumar assim?

samuka

Nota: Tão bacana quanto acompanhar in loco o Timão campeão, foi conhecer os ferozes (e corintianos) Tozo e Viana.  Demais, meus caros!

samukaferozes


Warning: count(): Parameter must be an array or an object that implements Countable in /home/t990olqj3thq/public_html/wp-includes/class-wp-comment-query.php on line 405

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *