Arquivo da tag: Pedro

EXISTE TRABALHO SENDO FEITO

Da conquista da Copa das Confederações por parte da seleção da CBF, muitas ponderações podem e devem ser feitas, muita coisa ganha espaço, exceto o pachequismo e o desdém ao adversário. Sobretudo em uma época em que o levante popular por buscas de melhorias em searas tão mais importantes que as do futebol nos dá a sensação de vivermos o despertar de uma geração mais crítica e analítica, que deixou de aceitar o pão e circo, bem como o de viver o factível, ante as suposições e os achismos oportunistas. Devemos sim usar dessa nova maneira de enxergar a vida para aplicar ao nosso esporte tão amado.

O tom da crítica ao trabalho realizado até a final do último domingo se deu dentro daquilo que víamos em campo e também fora dele. Ao analisar o jogo jogado dentro de campo, não estamos excluindo a necessidade de continuar de olho nos trâmites do jogo de interesse jogado fora dele. A realização das Copas com suas obras faraônicas sustentadas com dinheiro público continuam, não mudaram em nada. Mas o jogo do time de amarelo praticado no campo de jogo, sim. E é esse o tocante de hoje.

Desdenhar da Espanha é uma tremenda burrice. Seja você um pacheco assumido ou alguém mais contido. Ao diminuir os feitos espanhois nos últimos anos, joga-se por terra qualquer mérito enxergado no time de Felipão. Afinal, a seleção cebeéfiana triturou os atuais campeões mundiais, os bicampeões europeus, que vinham de uma longa e merecedora invencibilidade.

Ponderações acerca da condição física com que os espanhóis chegaram para enfrentar os brasileiros são justas, mas não eliminam o ótimo jogo de Neymar e cia. O time do Felipão variou taticamente. Da marcação pressão implacável nos primeiros minutos, passando pela atuação da dupla de volantes que anulou Xavi e Iniesta, chegando ao perfeito jogo tático de Hulk e Oscar. Recuou quando necessário, fazendo uso enfático de um contra ataque mortal, sobretudo pela esquerda com Marcelo e o genial Neymar. Impossibilitou a fluência do jogo espanhol, que mesmo quando teve posse de bola, pouco ou quase nada produziu. E quando o fez, como no quase gol de Pedro – na única grande jogada do ainda melhor time do mundo – encontrou uma barreira intransponível formada por um revigorado Julio Cesar e uma dupla de zagueiros fenomenal com Thiago Silva e um exuberante David Luiz, que foi ao lado de Neymar e Fred o grande nome da final. Perfeito na marcação, implacável na cobertura e preciso nas antecipações.

Não cabe mais desconfianças a respeito da condição técnica de extraterrestre de Neymar. Se nos times de Mano Menezes e mesmo no início de trabalho de Felipão, sem padrão tático, o cara já era o artilheiro isolado, bastou o acerto do time para que ele enfim brilhasse como dele sempre se espera. Melhor jogador do torneio, autor dos mais belos e decisivos tentos. Incontestável!

O time da CBF termina a Copa das Confederações bem mais bonito. Mas pés no chão são mais que necessários. O resultado não serve para transformar esse no melhor time do mundo. Ele não é, ainda. Espanha e Alemanha continuam alguns passos adiante, com trabalhos muito mais consistentes que este iniciado por Felipão. O título em uma Copa como esta também não é parâmetro para projeções. Nenhuma seleção campeã do torneio repetiu o feito na Copa do Mundo a seguir. O próprio time da CBF de Parreira e depois de Dunga nos serve de espelho. E mesmo esse time de Felipão oscila muito. De bons jogos contra Japão e Itália, a um péssimo diante dos uruguaios e depois um jogo brilhante diante dos espanhóis.

Por ora o que fica é isso. Existe trabalho sendo feito. Ele é bom e tende a ficar ainda melhor.

 

neymarfred

 

O SEGUNDO MELHOR TIME DO MUNDO

Orgulho. Essa foi a palavra mais citada por jogadores e torcedores do Real Madrid após o empate por 2×2 com o Barcelona no Estádio Camp Nou nesta quarta-feira em partida de volta válida pelas quartas-de-final da Copa do Rei espanhola e que classificou os catalães.

José Mourinho pândego: no estacionamento do Camp Nou, encostado no carro do árbitro, esperando-o para soltar verbo

E não foi à toa tamanho orgulho. Seguramente foi a melhor exibição do Madrid contra o arquirrival na era Jose´Mourinho.

Exibição providencial, pois, mais do que nunca, o técnico português era questionado em Madri após a derrota por 2×1 na partida de ida.

O 1º tempo merengue foi exuberante, com a equipe sempre marcando sob pressão a saída de bola do Barça.

Cristiano Ronaldo, Gonzalo Higuaín e Mesut Özil construíram suas chances com algumas boas defesas de José Pinto Colorado (que substituía Victor Váldez, relegado ao banco).

O Madrid não marcou, o Barça tratou de fazê-lo. Em grande jogada de Lionel Messi, Pedro abriu o placar aos 43 minutos. Placar que foi ampliado por Daniel Alves em chute diagonal no ângulo, perfeito, sem chances para Iker Casillas. Castigo enorme para o Real Madrid, cujos jogadores saíram inconsolados de campo para o intervalo.

A valentia madridista ficou evidente na 2ª etapa. Com o placar agregrado já em 4×1, os comandados de Mourinho foram à luta. A marcação sob pressão na saída de bola continuava, o Barcelona tentava levar o jogo de forma burocrática até seu final. Os anfitriões sentiam a ausência de Andrés Iniesta, substituído por contusão.

Aos 53 minutos de jogo, Sergio Ramos marca gol legal de cabeça, mal anulado pelo árbitro Fernando Teixeira Vitienes. Revolta geral dos jogadores do Madrid.

Ainda assim, os “blancos” não desistiram.

Em jogada de Özil, Cristiano Ronaldo invadiu a área, driblou Colorado e fez o primeiro gol merengue.

4 minutos mais tarde, roubada de bola sobre Gerard Pique, Karim Benzema aplica lençol sobre Carles Puyol e fuzila para o gol. Era o empate do Madrid.

No final, a partida ficou mais truncada, com faltas e com Pepe, tentando se fazer de vítima, valorizando as cargas que sofria.

Quando Teixeira Vitienes encerrou a peleja, alguns madridistas dirigiram-se a ele. Tarde demais. Classificação justa do Barcelona, mas graças ao desempenho de Madri.

Já o Real Madrid mostrou ser possível derrotar o Barça melhor do mundo. Claro, não será prerrogativa destinada a todos os adversários, mas somente a uns poucos. Poucos como o Real Madrid, um senhor time, mas que teve a infelicidade de ser contemporâneo deste Barcelona que está escrevendo a história do futebol.

Este Madrid de Mourinho é, quase certamente, o segundo melhor time do mundo. Suspeita que poderá ser validada na fase eliminatória vindoura da UEFA Champions League.

 

VELOZES

  • Foi quase um discurso ensaiado pelos jogadores do Real Madrid nas entrevistas pós-jogo, e não era para menos, estavam todos orgulhosos do desempenho no Camp Nou. Tudo isso após semana conturbada com especulações de possível saída de Mourinho da direção técnica do clube merengue.
  • Perguntar não ofende: e se o Real Madrid vencer a Champions, além da Liga Espanhola, que vai bem obrigado? Mourinho será contestado e demitido? E mais, e se ele vencer e não quiser ficar? Bons empregos seguramente não lhe faltarão.
  • O gol anulado de Sergio Ramos, bem como sua expulsão posterior renderam após a partida. Iker Casillas confirmou à imprensa local que disse ao árbitro Vitienes na entrada dos vestiários: “Vá fazer festa com eles!”
  • E Sergio Ramos, protagonista da trama, jogou no Twitter: “Estou feliz que o clube apele pelo meu segundo cartão amarelo porque, apesar de alguns não pararem de rolar, nem o toquei.” Ramos havia sido expulso por segundo amarelo após falta sobre Sergio Busquets e alegou simulação do jogador.
  • Lesões no Barça: Andrés Iniesta sofreu ruptura do bíceps femural e Alexis Sánchez sofreu entorse de clavícula.
  • E Mourinho fez das suas também no pós-jogo. Após parabenizar o Barça pela classificação e afirmar que a vitória foi justa pelo que os “blaugranas” fizeram no jogo de ida, o português, segundo o periódico de Barcelona “Mundo Deportivo”, foi ao estacionamento do Estádio Camp Nou, teria aguardado o árbitro Vitienes e dito a ele: “Vai artista, como você gosta de [email protected]#$% os profissionais!”
  • Festa na pequena cidade de Miranda de Ebro. O time local, o Mirandés, também classificou-se ao derrotar no placar agregado (pelo critério de gols fora de casa) o Espanyol por 2×1 em casa. Antes, o Espanyol vencera por 3×2 em virada incrível.
  • O Athletic Bilbao fez 1×0 no Mallorca e foi o outro classificado.
  • Agora falta a decisão entre Valencia e Levante. Tudo a favor do Valencia após vitória por 4×1 na partida de ida.
  • Na bota, a Copa Itália teve prosseguimento com a Juventus despachando a Roma por 3×0 no Juventus Stadium de Turim. O destaque ficou para a atuação de gala de Alessandro Del Piero, veterano ídolo juventino.
  • Já o Chievo Verona recebeu o Siena e se deu mal. Vitória por 1×0 dos visitantes.
  • Em outro clássico italiano, o Napoli recebeu a embalada Internazionale. Se tudo vai bem na Série A com as 7 vitórias em sequência, os “nerazzurri“ sentiram porque o time de Walter Mazzarri é a sensação italiana da temporada. Vitória napolitana por 2×0 com gols de Edinson Cavani.
  • Na Carling Cup inglesa o Manchester City enfrentou o Liverpool. Empate de 2×2 em jogo polêmico, já que o árbitro marcou pênalti de Micah Richards em toque de mão. Foi um daqueles lances difíceis e interpretativos que dividem as opiniões. Fato é que um dos gols do Liverpool (convertido por Steven Gerrard) veio deste lance. Com isso, o Liverpool avançou no placar agregado (3×2). Polêmica lançada.
  • Na outra decisão, mais emoção. O Cardiff City recebeu o Crystal Palace. Fez 1×0, igualou o agregado (1×1) e foi necessária a decisão por penalidades. Vitória dos galeses por 3×1 para delírio da torcida local.
  • Com isso, final da Carling Cup definida: Cardiff City x Liverpool em Wembley.

 

Encerrando o giro internacional, nada como encerrar com aqueles que, para muitos, são considerados os “inventores” do rock alternativo. Anunciaram o fim das atividades, mas todos sabem que, por uma grana extra para garantir a aposentadoria, eles podem se reunir para um novo tour mundial. Claro, é o REM, com “All the Best” do álbum de sugestivo nome “Collapse into now” de 2011. Confira.

http://www.youtube.com/watch?v=ayb1uoeYrgo

BOMBARDEIO BARÇA

Lionel Messi: 24 anos e 194 gols na carreira

Sem perdão. Assim foi o Barcelona em Minsk, Bielorrússia, contra o “sparring” saco de pancadas dos campeões europeus, o BATE Borisov, que levou impiedosos 5×0 com dois gols do genial Lionel Messi pela 2ª rodada do grupo H da UEFA Champions League.

 Não bastasse toda a superioridade catalã, o meio-campista Aleksandr Volodko resolveu dar a mãozinha inicial para o “passeio Barça” ao marcar contra o patrimônio e abrir o placar.

 Pedro ampliou na sequência e Lionel Messi fez o seu primeiro gol antes do intervalo graças a nova falha defensiva do BATE Borisov, desta vez de autoria do goleiro Aleksandr Gutor.

 O passeio era flagrante. Mesmo com o pé no freio, o Barça mantinha aqueles tradicionais 70% de posse de bola na partida (73% neste jogo!). Messi ampliou com belo chute forte e alto aos 11 minutos do 2º tempo. No final, David Villa ainda marcou o quinto gol do Barça.

 Quando se vê tal espetáculo de Messi e companhia, logo vem a indagação: quem poderá parar o Barcelona?

 Candidatos há. Especulou-se sobre a capacidade do time de Josep Guardiola manter o altíssimo nível da temporada passada. A dúvida veio à tona quando o time empatou alguns jogos.

 Pois bem, a média superior a três gols por partida deve desmentir as suspeitas. Alguns desfalques em certos momentos reforçam os argumentos pró-Barça.

 Voltando aos candidatos a bater os catalães, sem dúvida que Real Madrid e Bayern de Munique são os mais habilitados até o momento, não desprezando o Manchester United, completo e com Alex Ferguson acertando na montagem da equipe para o eventual confronto, diferente da final de maio último em Wembley.

 

Zlatan Ibrahimovic: sempre o melhor "rossonero" em campo

Na outra partida do grupo, o Milan recebeu o Viktoria Plzen no Estádio San Siro de Milão.

 O outrora copeiro Milan mostra-se sonolento, sem apetite neste início de temporada. Claro, os sete desfalques no elenco pesam. Mas, ao ver a equipe de Massimiliano Allegri em campo, conclui-se que os rubro-negros gostariam que o mundo acabasse em barranco.

 A vitória por 2×0 foi construída a muito custo no 2º tempo e graças a pênalti interpretativo após a bola de Zlatan Ibrahimovic tocar no braço de Marian Cisovsky. Antonio Cassano fez o segundo e definiu a partida para o Milan que fez apenas o suficiente para vencer e garantir o segundo lugar no grupo com os mesmos 4 pontos do líder Barcelona, mas atrás em gols.

 Pelo grupo E, o Chelsea foi a Espanha enfrentar o Valencia, vencia por 1×0 até os 42 minutos do 2º tempo, mas concedeu penalidade e Roberto Soldado empatou. 1×1 no final.

 Já na Alemanha, o Bayer Leverkusen derrotou o Genk por 2×0 com gols de Lars Bender e de Michael Ballack nos acréscimos.

 Após a rodada, o grupo ficou embolado. Diferença exata de 1 ponto entre cada equipe. O Chelsea lidera com 4 pontos. Bayer Leverkusen tem 3, Valencia está com 2 pontos e o Genk é o lanterna com 1. Todos permanecem com chances de classificação.

 

André Santos vibra com seu gol

Se as coisas não vão bem para o Arsenal de Arsene Wenger na Premier League, o alívio das tristezas encontra-se na Champions. Os “Gunners” receberam os gregos do Olympiacos no Emirates Stadium de Londres e fizeram 2×1. Alex Oxlade-Chamberlain abriu o placar aos 8 minutos e, acredite se quiser, André Santos ampliou aos 20. David Fuster diminuiu 7 minutos depois. Com o gol de hoje, Chamberlain tornou-se o mais jovem jogador inglês a marcar na UCL. Já para André Santos foi providencial fazer o seu. Mal chegara e o brasileiro já era contestado após falhas na Premier League.

 Tudo muito bem para os ingleses, mas o líder do grupo é o Olympique Marseille que fez surpreendentes 3×0 no Borussia Dortmund. A surpresa não está na vitória, afinal, o jogo era em Marseille. Normal que os locais vençam. O que o técnico Jürgen Klopp não imaginaria sequer nos piores pesadelos é a extensão do placar.

 O dois gols de André Awey, além do tento de Loïc Remy serviram para mostrar a Europa a competência do trabalho do técnico Didier Deschamps.

 São duas vitórias e 6 pontos para o Marseille, o Arsenal fica com 4. Preocupante é a situação do Dortmund: apenas 1 ponto e distante da zona de classificação. O Genk está sem pontos.

 Virada em São Petersburgo garantiu a vitória dos anfitriões do Zenit contra o FC Porto pelo grupo G. James Rodriguez abriu o placar para os portugueses, mas Roman Shirokov marcou dois e fez a alegria da torcida local. Danny fechou os 3×1 para os russos. Foi a primeira vitória do Zenit. Decepção para os portistas que, após boa estreia, amargaram derrota inesperada fora de casa.

 Na outra partida, o brasileiro Jadson livrou o Shakhtar Donetsk de derrota em casa para o APOEL. Os cipriotas abriram o placar no 2º tempo com Ivan Trickovski. O empate final veio 3 minutos após. 1×1 no final.

 Disputa parelha na classificação do grupo. O APOEL lidera com 4 pontos, Zenit e Porto ficam com 3 e o Shakhtar Donetsk tem 1 ponto. Todos seguem com chances de classificação.

 Segunda rodada da Champions finalizada. A lógica prevalece em alguns grupos como o H de Barcelona e Milan. Em outros, indefinição, e, ainda em outros, favoritos ficando para trás até o momento.

 A próxima rodada da UCL rola nos dias 18 e 19 de outubro.

EMPATE À ITALIANA NO CAMP NOU

Alexandre Pato abriu o placar a 24 segundos. Lionel Messi lamenta.

Em partida com amplo domínio de posse de bola do Barcelona, o Milan consegue empate com gols nos extremos do cronômetro.

 Mal havia começado o clássico europeu válido pela fase de grupos da UEFA Champions League e, logo aos 24 segundos de jogo, Alexandre Pato puxa contra-ataque mortal e bate rasteiro para abrir o placar em Barcelona.

 É o sonho de consumo de toda a equipe italiana que se preze. Gol logo no início, armar o clássico ferrolho, jogar defensivamente e viver de contra-ataques.

 Somente o item “viver de contra-ataques” não foi executado dentro do roteiro projetado por Massimiliano Allegri.

 

Andres Iniesta saiu contundido

Já o Barcelona enfrentava situação vivida anteriormente contra outros adversários qualificados. O oponente começa o jogo com ímpeto e, nos 10 primeiros minutos, parece dar pinta de que vai ser osso duro de roer (vide jogos contra Manchester United na final da UCL em maio ou Real Madrid). Isso dura até o momento em que o Barça consegue pôr a bola no chão e organizar a primeira trama ao seu estilo com passes rápidos, precisos, movimentação e ultrapassagens, além da magia de Lionel Messi logicamente.

 E foi logo o que o Barcelona tratou de fazer.

 O Milan bem que tentou armar contra-ataques. Clarence Seedorf mostrava sua habilidade, Alexandre Pato tentou umas duas graças no ataque, mas ficou nisso. Antonio Cassano estava inoperante, aos poucos os italianos deixaram de acertar uma sequência razoável de passes.

 Equipes de nível deixam de jogar com medo do Barça. Era só Barcelona no massacre contra a brava defesa milanista.

 Mas ninguém resiste a isso. O gol era questão de tempo.

 Até que Messi faz das suas pela esquerda. Ignazio Abate tenta fazer a proteção, mas o argentino é mais veloz e efetua o cruzamento. Gianluca Zambrotta falha ao não acompanhar Pedro que empurra para empatar.

 No 2º tempo, a pressão catalã começou no mesmo ritmo.

 Se estava difícil penetrar a área milanista que tal aproveitar algum lance de bola parada próximo da área? O Milan os concedia a rodo ao apelar para faltas naquela região do campo.

 David Villa aproveitou uma delas logo aos 5 minutos. Bateu com maestria e fez 2 a 1.

 Depois da virada o Milan partiria para o ataque? Ledo engano. A postura do time de Allegri era exatamente a mesma. Perder de pouco parecia estar bom para os rubro-negos.

 Pensamento geral naquele momento: porteira aberta para goleada do Barça. Ledo engano novamente.

 Eis que o Barcelona diminui o ritmo. Bem, em se tratando de Barça, diminuir o ritmo é bem relativo. O domínio de posse de bola manteve-se nos estratosféricos 70%, as jogadas continuavam a sair. Mas a volúpia não era a mesma. Motivos? Início de temporada? Time ainda desfalcado? Pode ser.

 Allegri resolve acabar com o isolamento de Pato promovendo a entrada de Urby Emanuelson.

 Fato é que no último lance da partida Seedorf bate escanteio e Thiago Silva cabeceia certeiro no gol. E Sergio Busquets escalado como zagueiro central foi criticado pela torcida, assim como Josep Guardiola.

 O Milan inesperadamente conseguira seu objetivo: empate por 2 a 2 no Camp Nou.

 O Barcelona se esqueceu do jogo à italiana do Milan de Massimiliano Allegri: defender-se de todas as formas e “achar” o resultado. Além de deixar escapar a vitória, os catalães terão que conviver com dois empates em sequência, dois resultados idênticos (empate do final de semana contra a Real Sociedad pelo campeonato espanhol). Algo inusitado para a equipe de Guardiola. Durma com esse barulho!

 

Duelo Alemanha vs. Inglaterra na rodada como em Borussia Dotmund e Arsenal.

Na outra partida do grupo H, o Viktoria Plzen recebeu em Praga a equipe do BATE Borisov da Bielorrússia e empataram em 1 a 1. Água no chopp do Plzen.

 Pelo grupo E, O Genk empatou em casa com o Valência (0x0). Já o Chelsea recebeu o Bayer Leverkusen e venceu por 2 a 0 com gols de David Luiz e Juan Mata.

 Ainda pelos confrontos Alemanha versus Inglaterra, o Borussia Dortmund recebeu o Arsenal pelo grupo F. Robbie Van Persie abriu para os gunners. No 2º tempo, Ivan Perisic, que havia entrado, marcou este golaço de voleio. Confira a seguir.

[dailymotion]http://www.dailymotion.com/video/xl2qp4_ivan-perisic-vs-arsenal-13-09-2011_sport[/dailymotion]

 Fechando o grupo F, o Olympique Marseille foi à combalida Grécia e derrotou o Olympiakos por 1 a 0.

 Para encerrar o dia de jogos, no grupo G, o Porto venceu de virada o Shakhtar Donetsk por 2 a 1 no Estádio do Dragão. Para a sorte de Hulk que perdera pênalti, mas contribuiria com a virada marcando um dos gols. O APOEL do Chipre derrotou o Zenit de São Petersburgo por 2 a 1.

 UEFA Champions League é classe e nesta quarta-feira tem mais.

FC BARCELONA E LIONEL MESSI: ESCREVENDO A HISTÓRIA

Foto de campeão com a taça

Parecia videogame. Passes rápidos e precisos, variações de jogadas, inversões de posicionamento, dribles desconcertantes do principal jogador, além de uma pitada de sorte, já que ninguém é de ferro. Assim foi o Barcelona na partida final da UEFA Champions League, sábado em Londres, jogando contra o Manchester United no estádio de Wembley. Um time de craques com um supercraque no elenco: Lionel Messi.

Taça chegando

O clima de gala prometia um grande jogo. O Barcelona com três Champions League na bagagem, além do título nacional da temporada. Exatamente igual ao adversário Manchester United: três Liga dos Campeões e a conquista da Premier League.

Josep Gaurdiola iniciou a decisão levando a campo a formação clássica do Barça. A destacar somente a ausência de Carles Puyol, sem condições físicas para suportar a partida por inteiro. Javier Mascherano formou dupla de zaga com Gerard Piqué. No Manchester United, havia a dúvida se Alex Ferguson colocaria Darren Fletcher para fechar a defesa e sacar um atacante. Nada disso. Corajosamente, Javier “Chicharito” Hernandez estava confirmado no ataque ao lado de Wayne Rooney.

Pressão inicial do Man U. Valdez afastando perigo na frente de Rooney.

E se alguém, completamente desatualizado de futebol, caísse de pára-quedas em Wembley para o início do jogo, concluiria sem esforço que o Manchester era o lado mais forte. Foram 10 minutos surpreendentes de pressão sobre o Barça. Um futebol sufocante dos ingleses, com Park Ji-Sung não permitindo que Daniel Alves controlasse seu lado do campo. Mas, alegria do mais fraco dura pouco e os catalães, logo em seguida, colocaram a bola no chão e conseguiram impor seu ritmo avassalador. E foi isso. Daí em diante, o de sempre, isto é, mais do mesmo. Mas que “mesmo”! Afinal, seria demais esperar que a pressão “Red Devil” durasse 90 minutos.

Pedro abrindo o placar

No meio de campo, Xavi e Andrés Iniesta passeavam na frente de Ryan Giggs. Messi começava a mostrar sua mágica. Nemanja Vidic fazia grande atuação na defesa do Man U, mas o louvável esforço era em vão. Chicharito Hernandez jogava à la Filippo Inzaghi, sempre no limite da linha de impedimento. Foram quatro dele assinalados em menos de 30 minutos de jogo. O gol era questão de tempo. E veio aos 27 minutos. Pedro, até então sumido no ataque pelo lado esquerdo, faz a inversão e, caindo pela direita, recebe passe perfeito de Xavi para marcar.

Rooney e Evra. Man U de volta ao jogo.

A porta estava aberta para mais show. O Man U agora limitava-se a ver o Barça tocar a bola com maestria. Quando detinham a posse de bola, os jogadores do Manchester faziam lançamentos buscando um pivô na intermediária adversária para escorar e buscar alguém livre para concluir. Sem sucesso. Ainda assim, aos 34 minutos, em grande jogada de Wayne Rooney, Ryan Giggs recebe em posição fora de jogo e devolve para o próprio Rooney completar com categoria. Seria o único chute certo a gol do Man U em toda a partida.

Rooney sente repetição de 2009 e comemoração do Barça ao fundo no 2º gol.

No segundo tempo, Guardiola tratou de alertar sua equipe para manter a posse de bola desde o início e evitar pressão do United como no começo do jogo. E a posse de bola do Barça alcançou picos de inacreditáveis 70%. As chances de gol se repetiam.  Quis o destino que o segundo gol do Barça fosse marcado por Lionel Messi através de falha do goleiro Edwin Van der Sar que se despedia do futebol. Aos 9 minutos, Messi recebe na intermediária direita, avança e próximo à meia lua arremata no meio do gol. Van der Sar aceita. Vibrante comemoração do comedido Messi e de todos os seus companheiros.

David Villa e seu gol de placa

Ferguson tentaria algo ao colocar o português Nani no lugar do brasileiro Fábio, mas foi exatamente Nani que sofreu no terceiro e consagrador gol do Barcelona. Aos 24 minutos, jogada magistral de Messi na ponta direita, driblando Nani, penetrando como um trator pela área, driblando Patrice Evra e tocando. Michael Carrick corta para Nani, que não domina passe à queima roupa. Sérgio Busquets retoma a bola para o Barça e toca para David Villa bater colocado no canto esquerdo alto de Van der Sar. Um golaço apoteótico para o melhor time do mundo selar a vitória e o título. Vitória incontestável do Barcelona. Festa dos jogadores e o capitão Puyol, em gesto nobre, cede a honra de receber a taça ao recém recuperado de cirurgia Eric Abidal.

Logo após a partida, a primeira impressão era de que a equipe do Manchester United tinha deixado a desejar, que havia jogado aquém de suas possibilidades. Contudo, ao verificar as estatísticas da partida, fica flagrante a superioridade do Barcelona. Foram 68% do tempo de posse de bola. Não há melhor esquema defensivo no mundo. Não ceder a posse de bola ao adversário na maior parte do tempo significa não permitir que ele crie, atue, agrida sua meta. Quanto aos chutes a gol foram 22 do Barcelona contra apenas 4 do Manchester United. Além de toda a matemática favorável, vale dizer que o Manchester não teve sequer um escanteio em 90 minutos.

O que o Barcelona atual faz é reduzir grandes adversários a times pequenos em campo. As estatísticas são de jogo entre um grande e um pequeno do campeonato espanhol. Esta seria a segunda conclusão do paraquedista desavisado que desceu em Wembley, após 90 minutos de espetáculo. Trata-se de uma equipe de craques com toque de bola refinado, com níveis físico e de concentração altíssimos para manter o ritmo durante todo o jogo. Alex Ferguson declararia após a partida que nunca havia visto equipe tão forte em sua carreira como técnico. Jogadores do Manchester todos resignados.

Maicon marcando pela Inter contra o Barcelona em Milão. UCL 2009-2010

Mas, perguntar não ofende. Time imbatível? José Mourinho e seus “Blue Caps” da Inter de Milão mostraram que não em 2010. Derrotaram o mesmo Barcelona por 3 a 1 em Milão. Em Barcelona, jogando a maior parte do tempo com 10 jogadores, o treinador português armou um “catenaccio” para causar inveja a qualquer técnico italiano que se preze. Mourinho chegou perto do feito novamente com o Real Madrid. O jogo era difícil, mas sob relativo controle dentro de um 0 a 0 em Madrid. Mas Pepe, com seu gesto de carinho para com Daniel Alves, provocou sua expulsão. A vaca e os bezerros foram para o brejo juntos. Messi deitou e rolou e o Barça fez 2 a 0. Na volta, heroicamente, o Madrid ainda arrancou empate de 1 a 1. O próprio Manchester poderia ter feito mais em Wembley. Ryan Giggs esteve mal em campo. Viu os centrais do Barça passearem à sua frente. Antonio Valencia abusou das faltas, completamente fora de tempo nas jogadas, parecia desatento. Sem mencionar a falha de Van der Sar no segundo gol do Barcelona. Alex Ferguson, ainda que corajoso por não colocar um volante em detrimento de um atacante, armou mal e substituiu igualmente  mal ao optar por Paul Scholes, inoperante, no lugar de Carrick, quando tinha Anderson em ótima fase para agredir a defesa adversária.

Perguntar duas ou três vezes também não ofende. O melhor time de todos os tempos? Messi, o melhor de todos os tempos?  Perdão pelo clichê, mas só o tempo vai dizer. Há uma série de fatores para que isso aconteça. Quanto ao Barça, terá que ganhar títulos europeus em sequência por alguns anos. Terá que superar em números equipes legendárias como o Real Madrid de Di Stefano e Puskas ou o Ajax de Crujff. Terá que manter o elenco e, se necessário, reforçá-lo, torcendo para que nenhum bilionário maluco venha com um Airbus irrecusável de dinheiro querendo levar duas ou três peças chave para seu time. Quanto ao craque argentino, é bom lembrar que em 2006, quando Ronaldinho Gaúcho voava baixo, muitos já discutiam se ele já havia superado Diego Maradona (Pelé no Brasil é “hors concours” até hoje). Em seguida, a luz de Dinho diminuiu e ficou claro o quão precipitada era a comparação. Há uma série de fatores. Messi está com apenas 23 anos. Terá que ter a sorte de não sofrer lesões graves como Ronaldo ou Kaká. Há que se ver se o jovem talentoso-milionário-famoso não vai cair de quatro por uma sex symbol qualquer e se isso vai desviar ou não seu foco. E mais, Messi terá que se tornar herói em seu país de origem. Ou seja, o cara precisa levar a Copa do Mundo de volta para Buenos Aires, como fez “El Pibe” Maradona. De preferência, roubando todas as atenções do mundo para seu futebol durante o evento. Tudo bem dramático ao melhor estilo do tango portenho.  O melhor, por enquanto, é curtir. Curtir esse time maravilhoso do Barcelona e seu gênio maior em campo. Afinal, quem sabe o Brasil não seja o palco onde Lionel Messi reinará definitivamente em 2014? Confira o possível aperitivo de Messi para a Copa de 2014 contra os futuros anfitriões em amistoso no Catar.

[youtube]http://www.youtube.com/watch?v=o2yEBS4vpNs[/youtube]