OS “ALTOS E BAIXOS” DO BARÇA NA LIGA

David Villa lutando com Alejandro Arribas na vitória do Barça sobre o Rayo Vallecano

Causou espécie a 14ª rodada do campeonato espanhol no último final de semana. Mais especificamente, a derrota do Barcelona para o modesto Getafe por 1×0 fora de casa. Tudo isso após grande vitória do time catalão sobre o Milan, também como visitante, pela UEFA Champions League.

Claro, para o super time do Barcelona de Josep Guardiola, o nível geral de expectativa tornou-se elevadíssimo. E não é para menos. Afinal, os títulos, o futebol total de videogame e a presença do extraordinário Lionel Messi têm encantado o mundo da bola.

Mas aí, eis que um belo dia surge a derrota. E derrota para um pequeno. E após grande vitória sobre um gigante.

Bem, vamos aos fatos para tentar justificar o acontecimento.

Messi contra Diego Castro em Getafe

É óbvio que derrota, ainda que pelo placar mínimo, significa que a apresentação de determinada equipe não tenha sido das melhores. De fato, o volume de jogo do Barça não está na lista dos dez mais inspiradores do time.

Ainda assim, Messi e companhia tiveram suas oportunidades para sair de Getafe com vitória.

Guardiola jogou no 4-3-3, com o retorno de Gerard Piqué e Daniel Alves na zaga ao lado de Maxwell e Eric Abidal. No meio, Thiago Alcântara tentaria repetir a boa atuação contra o Milan, tendo Sérgio Busquets e Xavi por perto. E no ataque, Messi tinha a companhia de David Villa e Alexis Sánchez.

E foram umas duas oportunidades perdidas pelo craque argentino no 1º tempo: cobrança de falta para fora e chute com a intervenção salvadora do goleiro anfitrião Miguel Moyá.

Na etapa final, Messi mais vez. Agora com a conversão a gol efetuada e posição de impedimento duvidosa confirmada pela arbitragem.

O gol dos locais veio aos 22 minutos, com cabeceio de Juan Varela após escanteio.

No final, nova peripécia de Messi, que acertou a trave do gol do Getafe.

Só que ficou nisso, vitória do time da casa.

O que não deu certo no futebol do Barça?

Bom, excetuando bolas na trave, intervenções providenciais do goleiro adversário e possíveis erros de arbitragem, houve um perigoso resquício de “Messidependência” em Getafe.

Thiago Alcântara não esteve à altura de Andrés Iniesta como ocorrera em Milão, Alexis Sánchez também não correspondeu às expectativas, fora que os zagueiros catalães nunca foram excepcionais. É notório que o grande trunfo defensivo do time de Guardiola é a altíssima porcentagem de posse de bola em média por jogo. Sem bola nos pés do adversário para jogar, sem ataque para fazer jogador de retaguarda suar. Simples assim.

Evidentemente, recorrendo ao chavão “mais difícil que chegar ao topo é manter-se por lá”, não dá para exigir aquele nível de motivação que se observa em confrontos contra Milan ou Real Madrid.

Mas se a pernada até Getafe não foi das mais agradáveis, eis que três dias depois o Barcelona teria a chance de apagar a má impressão. E no seu Camp Nou, contra o também humilde Rayo Vallecano, em partida adiantada pela 17ª rodada.

Sim caro leitor, o “intocável” calendário europeu foi ligeiramente modificado, não pela primeira vez obviamente, para que os campeões europeus possam viajar ao Japão e tentar confirmar, de forma oficial, a alcunha de melhor time do mundo no mundial de clubes da FIFA.

E, já no jogo desta última terça-feira, Guardiola variou o esquema tático da equipe. Aliás, o treinador tem adotado o 3-4-3 em algumas oportunidades.

O que a volta de uma peça-chave não pode permitir ao seu técnico? Pois é, lá estava no meio Andrés Iniesta formando o cérebro do time com Xavi, tendo Javier Mascherano e Seydou Keita na marcação, além de Villa, Sánchez novamente e Messi para azucrinar o adversário.

Sem esforço, o Barça fez 4×0 no Rayo Vallecano, desta vez com grande atuação do chileno que marcou dois gols. Villa e Messi concluíram o placar.

Com a vitória, o Barcelona, com um jogo a mais, aproximou-se do líder Real Madrid na classificação com 31 pontos.

CR e seu novo visual contra os marcadores do Atletico Madrid

Real Madrid que teve seu rival local pela frente no derby da cidade.

E bem que o primo pobre tentou engrossar para os anfitriões no Estádio Santiago Bernabéu.

Adrián abriu o placar para o Atlético Madrid aos 15 minutos de jogo.

Tudo ilusão que se diluiu nos gols de Cristiano Ronaldo (que marcaria duas vezes), Ángel di Maria e Gonzalo Higuaín. Vitória do Real por 4×1 no fim das contas e liderança com 34 pontos.

Agora é a dúvida que fica: o futebol dos campeões da Champions caiu em comparação à última temporada?

Uma coisa é certa, manter os níveis de motivação e concentração em qualquer atividade humana nunca foi fácil. Pode haver uma pitada desse ingrediente na atual conjuntura. Pode não haver absolutamente nada.

De qualquer maneira, há uma sensação geral de que a diferença técnica entre Barcelona e Real Madrid tenha diminuído em comparação à temporada passada.

Não há dúvida que José Mourinho, ainda que pesem todas as críticas à sua personalidade, tem obtido progressos com a equipe.

Fato é que o campeonato nacional de dois times, a Liga Espanhola, terá a prova ou a negação do sentimento que paira no ar no próximo dia 10 em Madri, quando realizar-se-á mais um superclássico entre Real Madrid e Barcelona. Partida que atrairá a atenção do mundo do futebol sem dúvida.

Quem não deixa dúvida no ar é o incansável Iggy Pop.

Em 2009, o americano lançou o álbum “Préliminaires”, uma tentativa do velho roqueiro de escapar no barulho sem sentido de guitarras que o rodeava.

Em “Préliminaires”, Iggy flertou com jazz de Louis Armstrong, bossa nova de Tom Jobim e Vinícius de Moraes e música francesa de Yves Montand e Edith Piaf, mas não abandonou o velho e bom rock’n’roll de qualidade.

E é na vertente que o consagrou que a coluna se encerra. Confira “Nice to be dead”.

[youtube]http://www.youtube.com/watch?v=B8J6FvzcTgs[/youtube]


Warning: count(): Parameter must be an array or an object that implements Countable in /home/t990olqj3thq/public_html/wp-includes/class-wp-comment-query.php on line 405

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *