MAIS UMA DATA FIFA

 

Dirk Kuyt: Holanda aplica goleada em San Marino e vence Finlândia.

Sabia que estivemos em mais uma sequência de datas FIFA caro leitor? Pois é, estivemos.

 E, como já mencionáramos na coluna, datas FIFA significam rodadas destinadas às atividades de seleções nacionais. Seja para jogos amistosos, seja para competições oficiais, o negócio é jogar os holofotes para os times da pátria e todo o aparato que os cercam: hinos, bandeiras, cores do país e por aí vai.

 Como consequência lógica da reunião de jogadores, os melhores que cada nação pode ter à disposição, ocorre a paralisação dos torneios que envolvem os clubes. Em bom português: folga para os times e seus respectivos campeonatos e copas.

 E o motivo até a vovozinha leiga ao extremo em futebol deduz com facilidade: para não haver conflito de datas e interesses de clubes e federações (que comandam as seleções nacionais) na utilização dos principais jogadores por um ou por outro.

 Pois é, isso tudo é assim na parte do mundo onde prevalecem coerência, bom senso, raciocínio lógico e boa gestão do empreendimento chamado futebol.

 Em terra brasilis, tivemos final e meio de semana com rodadas cheias do campeonato brasileiro, exceção feita ao adiamento da partida entre Santos e Botafogo. Adiamento que poderia denotar favorecimento a algumas equipes em detrimento de outras, mas isso é outro assunto. Enfim, o efeito real é que muitos não percebem que as seleções estão em ação, já que os clubes continuam a ocupar os assuntos da imprensa especializada.

 O que interessa é deixar claro e lamentar novamente o desrespeito à data FIFA por parte do futebol brasileiro. Tudo consequência do calendário. É matemática simples: o ano possui apenas 365 dias. Gastam-se mais de 4 meses da temporada em chatíssimos campeonatos estaduais, cujo desfecho todos estão carecas de conhecer. Quase sempre os mesmos finalistas e campeões. Resta pouco tempo para o corretíssimo brasileirão de pontos corridos com turno e returno disputado por vinte equipes. Aí as datas FIFA são invadidas.

 Solução correta para a confusão: redução dos estaduais ou mesmo a não participação dos times das séries A e B do brasileiro nos ditos cujos, a menos que os astrônomos descubram um modo de frear o movimento de translação da Terra aumentando o número de dias do ano.

 Enfim, no Brasil bagunça-se o aparentemente simples. Como diria o saudoso Telê Santana, “quem disse que futebol é coisa de gente séria?”

 Bom, sem mais delongas, vamos ao que interessa. Mais duas rodadas de apuração dos finalistas para a Eurocopa 2012 se foram e, salvo raras exceções, os grandes se mostram sempre maiores e o espaço que os separam dos médios e nanicos no velho continente está cada vez maior.

 Pelo grupo A, a classificada Alemanha (24 pontos) mostrou novamente a grande safra de novos jogadores e o futuro promissor que tem em mãos e atropelou a Áustria em Gelsenkirchen por 6 a 2. Os polaco-germânicos Miroslav Klose e Lukas Podolski marcaram, além dos jovens Mesut Özil, Andre Schürrle e Mario Götze. A briga do grupo fica entre Turquia (14 pontos) e Bélgica (12 pontos) pelo segundo lugar.

 Equilíbrio no grupo B. Sem nenhum bicho papão para apavorar, a Rússia está na ponta (17 pontos) após jogar duas vezesem casa. Vitória por 1 a 0 contra a Macedônia e sofrível empate sem gols contra a Irlanda, vice líder do grupo com 15 pontos. Brigam ainda Armênia e Eslováquia (14 pontos) que, aliás, se enfrentaram com vitória por 4 a 0 para os Armênios.

 

Giampaolo Pazzini para salvar a Itália contra a Eslovênia

E a Itália jogou…à italiana. O que significa que houve sofrimento, críticas e golzinho salvador aos 38 minutos do 2º tempo de Giampaolo Pazzini contra a Eslovênia (1 a 0 no final). Achou pouco? Houve mais melodrama. Na rodada anterior a Itália também vencera e também por 1 a 0. O problema foi o adversário: a toda poderosa Faroe! Sim, a seleção da pacata Ilhas Faroe. Mas, também à italiana, a Azzurra está classificada. 22 pontos faturados contra os 14 da Sérvia e 13 da Estônia no grupo C.

 E a França de Laurent Blanc ainda corre riscos no grupo D. A equipe jogou duas vezes como visitante. Até que não foi mal. Vitória por 2 a 1 contra a Albânia e empate por0 a0 contra a Romênia. É líder com 17 pontos, só que tem perseguidores perigosamente próximos nos calcanhares. A Bósnia fez 2  a 0 em Luxeburgo e 1 a 0 na Bielorrússia e colou nos franceses com 16 pontos. Romênia e Bielorrússia mantêm esperanças com 12 pontos cada.

 

O francês Karim Benzema contra a Romênia

A Holanda mostrou porque é a número 1 do ranking da FIFA. Fez imperdoáveis 11 a 0 em San  Marino e 2 a 0 na Finlândia no grupo E. Está classificada com 24 pontos. Vencer San Marino por goleada não é nada absurdo, mas se não tivesse construído placar tão elástico poderia ser criticada agora. Suécia e Hungria brigam pela vice-liderança. Fizeram confronto direto na rodada com vitória húngara (2 a 1).

 O grupo F é outro sem seleções de primeiro escalão. A Grécia está lá, é verdade. Os gregos já venceram a Eurocopa (Luís Felipe Scolari deve se lembrar bem, pois treinava Portugal e perdeu a final), mas não mantiveram o nível internacional necessário. De qualquer forma, podem se classificar. Estão com 18 pontos, logo atrás da líder Croácia com 19. São os dois com maiores chances de qualificação.

 

Ashley Young marca contra Gales em Wembley

Em jogo chato em Wembley, a Inglaterra venceu Gales por 1 a 0 na última terça-feira após já ter derrotado a Bulgária por 3 a 0. Fabio Capello faz seu trabalho. Sem ilusões contudo. A pressão sobre o “English team” existe, afinal os caras não ganham nada há muito. Por enquanto tudo bem. São 17 pontos para os ingleses contra 11 da surpresa Montenegro que está à frente da Suíça com apenas 8 pontos no grupo G.

 Portugal, Dinamarca e Noruega disputam a tapa a classificação no grupo H. Todos com 13 pontos. No melhor jogo, os dinamarqueses, em casa, fizeram 2 a 0 nos noruegueses. Grupo em aberto por ora.

 E, finalmente, no grupo I, os espanhóis campeões do mundo fizeram 6 a 0 no assustador Liechteinstein e passeiam com 18 pontos. República Tcheca (10 pontos) e Escócia (8 pontos) disputam o segundo posto. Os tchecos, aliás, se deram bem no confronto direto, pois empataram na Escócia por 2 a 2 na rodada.

 Falando em Espanha, a Fúria jogou somente uma vez pelas eliminatórias do Euro. Então aproveitaram a outra data livre para enfrentar o Chile de Jorge Valdivia no melhor amistoso da leva da sequência de datas FIFA. Ganhou de virada por 3 a 2, utilizando-se da famosa base do Barcelona para virar o jogo.

 Ah, o time da CBF? Jogou em Londres, a nova casa da seleção (nada mais brasileiro que Londres!) e venceu Gana por 1 a 0 com gol do ótimo Leandro Damião. Contou com a vantagem numérica de estar com jogador a mais em campo na maior parte do tempo. Serviu para amenizar as coisas para Mano Menezes.

 Para encerrar com chave de ouro, que tal a cobrança esdrúxula de pênalti a seguir? O argelino Amir Sayoud, atuando pelo Al-Ahly do Egito, é o cara! Uma verdadeira primavera árabe para revolucionar as maneiras de perder uma penalidade. Veja só.

[youtube]http://www.youtube.com/watch?v=f_hVkINor7o[/youtube]


Warning: count(): Parameter must be an array or an object that implements Countable in /home/t990olqj3thq/public_html/wp-includes/class-wp-comment-query.php on line 405

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *