JOGARAM COMO NUNCA, PERDERAM COMO QUASE SEMPRE E A FINAL DO EURO

Parece uma sina, e talvez seja de fato, mas Espanha e Itália, que decidem a Eurocopa logo mais, derrotaram seus grandes e respectivos rivais, Portugal e Alemanha, mais uma vez, enfatizando o estigma de certas dinastias existente no mundo do futebol de seleções.

 

Mario Balotelli fuzilando contra Manuel Neuer

PORTUGAL 0 (2) X (4) 0 ESPANHA

Donets’k, Ucrânia

Portugal e Espanha fizeram na última quarta-feira em Donets’k a primeira semifinal do Euro. Não saíram do zero.

Os portugueses chegavam à partida com altas esperanças depositadas no craque artilheiro Cristiano Ronaldo. A Espanha vinha com sua base catalã do Barcelona em dois pilares no meio de campo, Xavi e Andrés Iniesta.

Mas, a semifinal de Donets’k apresentaria algo de novo em relação a Roja: a impaciência de todos com o futebol incansável de toque de bola à espreita do melhor momento de atacar.

A partida apresentou a já esperada maior posse de bola e algumas oportunidades a mais para os espanhóis. Portugal foi mais incisivo em alguns de seus ataques, como a grande chance de gol de Cristiano Ronaldo pouco antes do final da partida.

Após 90 minutos de jogo com direito a mais 30 minutos de prorrogação, a decisão do primeiro finalista ficaria para as penalidades.

Na primeira série, Xabi Alonso foi parado por Rui Patrício, o mesmo acontecendo com José Moutinho em relação a Iker Casillas.

A sorte lusitana foi selada quando Bruno Alves perdeu sua oportunidade e Cesc Fábregas converteu para a Espanha.

No confronto ibérico, somam-se agora 8 partidas, com a Espanha chegando a 4 vitórias, contra somente uma dos portugueses, além de 3 empates.

Curiosamente, Portugal tinha como ponto forte, no histórico negativo contra os rivais, o fato de permanecerem invictos no retrospecto de Eurocopas. Estatística inútil, pois sem perder, ainda assim Portugal sucumbiu novamente perante os vizinhos que defenderão neste domingo o título europeu.

 

ALEMANHA 1×2 ITÁLIA

Varsóvia, Polônia

Mario Balotelli tem seu dia de consagração ao marcar duas vezes em Varsóvia e levar a Itália a novo triunfo sobre a favorita Alemanha.

Os gols de Balotelli, o primeiro de cabeça após cruzamento de Antonio Cassano e o segundo em contra-ataque e conclusão fulminates, transformaram o encaminhamento da partida, forçando os alemães a partirem incessantemente ao ataque e os italianos executando o velho catenaccio com contra-ataques que poderiam ser decisivos.

Por isso, a maior posse de bola e o maior número de conclusões dos alemães na partida.

Os alemães diminuiriam apenas nos acréscimos com gol de pênalti anotado por Mesut Özil.

A vitória italiana estava selada. Mais que isso, é a constatação de um estilo de jogo eficientíssimo dos alemães que, contudo, não se encaixa e não supera o pragmatismo italiano.

Na história são 18 jogos entre ambas as seleções com nada mais que 11 vitórias da Azzurra.

Números que mostram que, no futebol, certas coisas podem ser explicadas, outras não. Haja vista, além dos confrontos Itália x Alemanha e Portugal x Espanha, determinados duelos que mostram grandes seleções se apequenarem perante outras de forma específica.

Que tal os confrontos entre Brasil e França? Depois de 1958, quando o Brasil fez 5×2 nos franceses nas semifinais da Copa do Mundo da Suécia (com uma França com 10 jogadores em campo na maior parte do tempo devido a contusão de seu principal jogador, o artilheiro Just Fontaine, e sem previsão de substituições nas regras da época), foram somente sucessos franceses sobre os brasileiros.

Coisas do futebol que Itália e Alemanha levam ao pé da letra.

 

A decisão

E, finalmente, neste domingo será jogada a grande decisão da Eurocopa em Kiev, Ucrânia.

O favoritismo é espanhol, afinal a Roja é apenas a atual campeã europeia e do mundo, tendo como base o super time do Barcelona. Suas esperanças ficam nos pés de Xavi e Iniesta, mas não somente. Não é qualquer equipe nacional que possui em seus quadros nomes como Sergio Ramos ou David Silva, além da opção de Fernando Torres.

As críticas sobre o futebol paciente de toques? Isso pouco importa para o técnico Vicente Del Bosque.

A Espanha quer manter a hegemonia entre as seleções nacionais.

A Itália…bem, a Itália está sempre ressurgindo do nada, preferencialmente pós-escândalos que abalam a credibilidade do futebol local e do país em geral.

Foi assim na Copa do Mundo de 1982, está sendo assim no Euro atual.

Pois que, há um mês, o assunto na ordem do dia de toda a imprensa especializada era o mais novo escândalo de manipulação de resultados envolvendo jogadores, dirigentes e treinadores, o tal do Calcioscomesse, com direito a Polícia e Justiça batendo à porta da concentração da Seleção Italiana às vésperas da competição continental.

A opinião era quase unânime após o desastroso amistoso contra Rússia (vitória russa por 3×0): sem chances para a Itália no Euro.

E quem é finalista? Sim, a Squadra Azzura.

Itália que tem suas esperanças no maestro Andrea Pirlo, recém campeão nacional pela Juventus e dispensado na temporada anterior pelo Milan (um dos maiores erros de Silvio Berlusconi e companhia). Agora, o meia de 34 anos conduz a Itália à final, muito bem auxiliado pelo astro pop Mario Balotelli, recém campeão nacional pelo Manchester City.

Eis os ingredientes da grande final de Kiev de logo mais. Nada mal para o encerramento latino da Eurocopa.


Warning: count(): Parameter must be an array or an object that implements Countable in /home/t990olqj3thq/public_html/wp-includes/class-wp-comment-query.php on line 405

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *