FUTEBOL E ROCK N ROLL: DOIS MUNDOS EM UM SÓ

Futebol é rock n roll quando jogadores se transformam em rock stars midiáticos, atraindo atenção de público e crítica para seus passos dados dentro e fora dos gramados. Quando a vida desregrada torna-se objeto de avaliação, crítica ou admiração de torcedores.

Edmundo, Adriano, Garrincha, Casagrande, Ronaldinho, Cantona, Best, Zidane, Puskas e muitos e muitos outros. Não necessariamente roqueiros fora dos campos, mas rockers em essência. Sobretudo se você acreditar na máxima de que rock é muito mais do que um estilo musical, mas um estilo de vida.

Os roqueiros dos palcos que dominam suas massas em arenas ou no palco acanhado do boteco da esquina. Esses também convergem seus mundos em teatros de sonhos na vibração de seus fãs como torcedores das pistas que empunham guitarras imaginárias como se fossem flâmulas da agremiação do coração.

Futebol e rock n roll caminham e se complementam em situações que fogem em muito o mundo de metáforas e paralelos. Tornam-se únicos quando o torcedor do palco empunha seu instrumento e extrai dele o grito e o som que muitas vezes cai na voz do torcedor da arquibancada que em uníssono o transforma no combustível dos rockers dos gramados para conduzir o seu instrumento de trabalho as redes adversárias.

Como quando Roger Daltrey do The Who, torcedor fanático do Arsenal da Inglaterra, entoa o hino “Highbury Highs” para os milhares na despedida emocionante e histórica do mítico estádio Highbury, que seria demolido dali alguns dias.

 

 

 

[youtube]http://www.youtube.com/watch?v=7iX5sUKzkh0[/youtube]

Como quando o ex Oasis, Liam Gallagher, torcedor símbolo do Manchester City, regrava com sua atual banda, o Beady Eye, a convite do fornecedor de material esportivo do clube, o clássico eternizado na voz de Elvis Presley, “Blue Moon, em peça publicitária de lançamento da nova camisa do clube. A regravação já tomou conta das arquibancadas nos jogos do City, como pode ser notado ontem na final da Supercopa da Inglaterra. A peça já foi reproduzida aqui no FFC, mas nunca é demais revê-la:

[youtube]http://www.youtube.com/watch?v=L7zDWpNBc3s[/youtube]

Acontece também em situações que seriam inusitadas em qualquer universo, menos no dueto futebol/ rock n roll. Como por exemplo na mais do que mera simpatia que os membros do Faith No More desenvolveram pelo Palmeiras, muito em virtude da influência dos irmãos Cavalera, é bem verdade, mas nem por isso menos intensa. Como você pode notar na declaração de Mike Patton no show que o FNM realizou em 2009 em São Paulo:

No mesmo Faith No More, mas no já longínquo ano de 1995, no infelizmente extinto Monsters Of Rock, o baixista Billy Gould fez o show trajado com a clássica camisa “adidas/coca-cola” do Palmeiras. Veja:

Outro ocorrido insólito nesse dueto futebol/ rock n roll acontece quando alguns músicos de Manchester resolvem batizar sua banda com o nome de “Wagner Love”. Sim, em homenagem ao ex centroavante de Palmeiras e Flamengo, atual CSKA e que jamais vestiu camisa alguma de clube algum clube inglês.  Já li que os caras dizem que o som da banda é uma mistura de Teenage Fanclub com Oasis, o que mostra que o bom gosto dos figuras vai além do gosto pelo futebol, embora a “mistura” de Teenage com Oasis deles deu em algo mais parecido com Jamiroquai, como você pode ver no vídeo da música “Doin It”:

[youtube]http://www.youtube.com/watch?v=HSLkzBrF3Ls[/youtube]

A colisão dos dois mundos faz o caminho inverso quando o maior jogador de nossos tempos, o argentino Lionel Messi, decide que irá conseguir reunir os irmãos Liam e Noel Gallagher em uma hoje pouco provável volta do Oasis. Messi que foi apresentado ao Oasis pelo também hermanito, Carlitos Tevez,  até já criou sua banda cover de Oasis. SÉRIO! Mas infelizmente não achei vídeo da banda do genial baixinho argentino. Achei sim uma matéria da TV argentina que fala sobre essa ambição de Messi. Veja que as prediletas do cara são Supersonic e Live Forever. Sensacional!

[youtube]http://www.youtube.com/watch?v=c5dgKu_FEEM[/youtube]

Como costumo dizer, a criação do Ferozes FC nunca foi por acaso. Os dois mundos a que nos propusemos abordar sustentam nossa existência.

E se você se lembrar de outras associações entre os dois mundos e quiser recomendar vídeos ou matérias, fique a vontade. A casa é sua.

Despeço-me da ferocidade com um vídeo daquele Monsters Of Rock de 1995, quando Billy Gould do Faith No More usou a camisa do Verdão e o figura do Mike Patton mandou o petardo em “português”. FNM – Evidence:

[youtube]http://www.youtube.com/watch?v=mSIYxOroxHw[/youtube]

Cheers


Warning: count(): Parameter must be an array or an object that implements Countable in /home/t990olqj3thq/public_html/wp-includes/class-wp-comment-query.php on line 405

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *