BARCELONA MATADOR: CAMPEÃO DA SUPERCOPA DA UEFA

 

Cesc Fábregas entrou para fazer o gol do título. Festa Barça.

Se o Real Madrid havia começado sua participação na Liga 2011-2012 com avassaladores 6 a 0 sobre o Real Zaragoza fora de casa, o FC Barcelona não deixou por menos e estreou no Camp Nou com um sonoro 5 a 0 sobre o Villarreal.

 Vale lembrar que não se trata de um Zé Ninguém. É o Villarreal, classificado para a UEFA Champions League.

 Tudo isso com um detalhe, Pep Guardiola, sem Gerard Piqué e Carles Puyol, tratou de levar a campo um Barça com três zagueiros: Javier Mascherano, Sergio Busquets e Eric Abidal.

 Thiago Alcântara fez um, Cesc Fábregas marcou em seguida, Alexis Sanchez, estreando, ampliou e Lionel Messi fez outros dois.

 Se Guardiola acenou com mudanças no consagrado esquema de jogo do Barcelona, não menos surpreendente foram algumas das características da partida da última sexta-feira que deu aos catalães o segundo título em menos de um mês de temporada, a Supercopa da UEFA, contra o FC Porto, por 2 a 0 em Mônaco (antes o Barcelona havia conquistado a Supercopa da Espanha contra o Real Madrid e duas partidas: empate por 2 a 2 e vitória por 3 a 2).

 Jogando no Estádio Louis II de Mônaco, o Barcelona, campeão da Champions League, tentava mais um caneco para a coleção de troféus do clube contra os portugueses, campeões da UEFA Europa League, no tradicional evento anual entre os dois campeões continentais.

 A exemplo de diversos jogos anteriores do Barcelona, os oponentes iniciaram os primeiros 10 minutos com ímpeto, mantendo a posse de bola e tomando a iniciativa do jogo.

 Mas não se engane, a festa dura até o primeiro momento em que o Barça consegue colocar a bola no chão e trocar passes precisos à base de perfeita movimentação, apesar do gramado decepcionante do principado magnata.

 Daí em diante foi o de sempre em certos aspectos. Posse de bola estratosférica rondando os 70% e bombardeio catalão sobre o goleiro brasileiro Hélton.

 Pois é, mas para quem acompanha as partidas, pelo menos as mais agudas, do Barcelona de Guardiola notou fatos pouco corriqueiros.

 O oponente. Enquanto adversários de peso ou nem tanto começam a comer o pão quem nem o diabo quer amassar quando Messi e companhia começam a tocar a bola com maestria, o Porto fez muito com seus modestos mas preciosos 30% de posse de bola. A equipe até que criou, atacou, pelo menos tentou com bravura. Hulk incomodava a defesa com sua vontade e excelente condição atlética e muscular. É aquela história, o cara é um tanque e dava trabalho.

 

Davi Villa e Cesc Fábregas com a taça.

O ataque do Barça. Como foi dito, os passes são precisos. O jogo é sincronizado. Parece tudo exaustivamente ensaiado, inclusive com o adversário, ao estilo Harlem Globtrotters, que não vê a cor da bola. Conclusão: quase não há situações de jogo como impedimentos. Estranhamente, não foi o que se viu em Mônaco. O ataque foi pego diversas vezes em posição fora de jogo. Início de temporada? Falta de entrosamento? Gramado ruim? Utilização eficiente da “linha burra” por parte do Porto? Foram os questionamentos dos que notaram a anomalia.

 O Porto, ao estilo “milagre da multiplicação dos pães”, fazia muito com pouco. Tudo ia razoavelmente bem. Até o fim do 1º tempo.

 Cercado, o colombiano Freddy Guarín pensou rápido e tentou recuar para o goleiro Hélton. Pensou rápido e mal. Lionel Messi voltava na boa da banheira após último ataque do Barça imediatamente antes. Recebeu presente dos deuses e concluiu sem stress. Barça 1 a 0.

 Há dias que o sujeito para e pensa que não deveria ter saído da cama naquele dia. Deve ser o que Guarín pensou no final da última sexta-feira.

 

Don Lionel Messi em Mônaco.

Na 2ª etapa a porta estava aberta. O Barcelona tratou de pôr pressão. A “blitz” catalã forçou Rolando a tomar o segundo amarelo.

 Se já estava fácil, clareou ainda mais. Fábregas, que havia entrado no 2º tempo, marcou golaço após assistência perfeita de Messi. Jogada de craques.

 Guarín, para encerrar a jornada cinzenta, também foi expulso no final. Já não importava mais.

 FC Barcelona campeão da Supercopa da UEFA.

 Se o assunto é o futebol quase perfeito do Barcelona. Nada melhor que apreciar o quarto gol da equipe contra o Villarreal. Passes perfeitos e rápidos e gol de Messi.

[youtube]http://www.youtube.com/watch?v=keY1q2JIRvw&feature=related[/youtube]


Warning: count(): Parameter must be an array or an object that implements Countable in /home/t990olqj3thq/public_html/wp-includes/class-wp-comment-query.php on line 405

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *