A CAMISA 8 EM BOAS MÃOS

Num lance de solidariedade involuntária entre colegas de função, Rogério Ceni salvou Cássio. A responsabilidade de um empate na noite de quarta-feira, 3 de julho de 2013, cairia toda na conta do goleiro corintiano. Mas houve um Renato Augusto em campo, acionado após uma lesão atrás da outra no meio campo alvinegro. Primeiro Danilo, depois seu substituto, Douglas. Antes disso, com o Timão em vantagem, placar aberto por Guerrero, aconteceu de Aloisio marcar com um chute direto e ver Cássio falhar bisonhamente, ‘ajudando’ a bola a chegar ao fundo da rede. E parecia que ia ficar nisso. Aloisio seria o dono da situação, um herói para o Tricolor, que vinha muito mal, especialmente nas laterais, as avenidas paralelas Juan e Douglas.

Renato Augusto fazendo bom uso da camisa que já foi de Sócrates e de Paulinho.
Renato Augusto fazendo bom uso da camisa que já foi de Sócrates e de Paulinho.

Mas Rogério se adiantou, e Renato, herdeiro da camisa 8, do recém-saído ídolo Paulinho, muito consciente da situação, mandou por cobertura, sem chances para o veterano goleiro. Fechou o placar e ganhou a noite. E provavelmente a vaga de titular.

Porque sinceramente, não dá pra ter Douglas em campo e Renato Augusto no banco. Não faz o menor sentido. Talvez Tite ainda tivesse dúvidas quanto à condição física de Renato, mas isso se desfez neste primeiro jogo da Recopa. O treinador vai precisar arranjar lugar para ele na equipe.

Em compensação, o substituto oficial de Paulinho, Guilherme, embora não tenha comprometido, também não empolgou o torcedor. Conseguiu mandar uma bola na trave, mas nada mais do que isso. Tem características bem diferentes do antecessor, um estilo um pouco mais defensivo. Talvez com ele em campo, o Corinthians tome menos gols, o que, digamos, não é também uma novidade, já que a zaga tem se portado bem, especialmente com Gil, que pouco falha. No ataque, embora não tão produtivos, Emerson e Guerrero parecem continuar firmes. Romarinho, entre o meio e o ataque, também foi bem, e não se vê lugar para Pato na equipe neste momento.

Numa comparação que se faz injusta por força das circunstâncias, o Corinthians, embora com alguns problemas e um certo comportamento ‘burocrático’, ainda permanece alguns degraus acima do rival. Ney Franco nem de perto tem o mesmo controle sobre sua equipe tal qual Tite tem sobre o Timão. Além de boas opções no banco de reservas, Adenor tem à sua disposição a aplicação tática de seus jogadores. Faz a diferença. Na comparação, que diferença real têm Juan e Fábio Santos? Quase nenhuma em termos de qualidade técnica, ambos são fracos. Mas o segundo faz parte de um esquema organizado e solidário. No São Paulo, parece que os jogadores não se entendem. Ainda é assustador ver Lúcio avançando ao ataque feito um caminhão sem freio. Não há sentido e resultado prático nisso. É de se pensar.

Agora, os dois times decidem no Pacaembu, no dia 17 de julho, o título da Recopa. O peso está todo nas costas do São Paulo e de seu treinador Ney Franco. Se é que até lá ele ainda poderá ser dono do cargo. Aguardemos.

Cássio bobeou e quase complicou o Corinthians.
Cássio bobeou e quase complicou o Corinthians.


Warning: count(): Parameter must be an array or an object that implements Countable in /home/t990olqj3thq/public_html/wp-includes/class-wp-comment-query.php on line 405

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *