Arquivo da tag: Liderança

A nova onda do Imperador

Finalmente Adriano foi decisivo.

Às vezes eu fico pensando se tem mesmo que ser assim. A vitória do Timão de virada sobre o Atlético-MG por 2 x 1 teve aquela famosa “cara de Corinthians”: sofrida, com emoção, decidida nos minutos finais, fazendo com que os corintianos pudessem testar a saúde do coração. Muitos inclusive se lembraram do confronto de 1990, época em que Neto era o salvador da pátria da Fiel.

Guardadas as proporções, foi parecido. Timão e Galo fizeram um primeiro tempo morno, em que mais defenderam do que atacaram, e mesmo com as duas avenidas montadas pelo emotivo Cuca nas laterais, o ataque corintiano não conseguiu ser efetivo. E o Atlético acabou crescendo no jogo e ameaçando a liderança do Corinthians.

Eis que no segundo tempo, em jogada ensaiada, Leonardo Silva abriu o placar para o Galo, aliviando um pouco a situação dos mineiros, que ainda lutam contra o rebaixamento. Parecia mesmo que o Corinthians perderia a liderança e consequentemente o campeonato, já que seria muito difícil recuperá-la nos próximos jogos. Aliás, a matemática deste campeonato está bem mais complexa do que a dos anos anteriores, principalmente entre os times candidatos à vaga da Libertadores. Mas existem momentos em que os erros viram acertos. Foi assim quando Tite resolveu trocar Willian por Adriano. A Fiel chiou. Era possível ver na cara dos torcedores a insatisfação pela escolha. Aos olhos deles, quem merecia sair naquele momento era Liedson, há algum tempo apagado em campo. Willian ao menos mostrava mais empenho, embora visivelmente cansado.

Mas o jogo mudou com a entrada do Imperador: mesmo ainda estando pesado e sem ritmo, Adriano acabou atraindo a marcação para si, deixando Liedson livre para marcar, após bom cruzamento de Alessandro.

E não parou por aí. Já no finalzinho, naquele teste cardíaco que citei no início do texto, Emerson deu uma bela arrancada e encontrou Adriano livre para mostrar que sua canhota continua calibrada, apesar do longo período (ainda não terminado) de recuperação.  Feliz pelo gol, ainda deu tempo de tomar cartão por tirar a camisa na comemoração (uma forma de mostrar que emagreceu?).

Terminado o jogo, a pergunta que muitos comentaristas esportivos já começaram a fazer: Adriano já fez valer o investimento que o Corinthians fez ao contratá-lo. É claro que não. Acho até que seja um comentário um tanto ingênuo, mais para causar impacto do que uma avaliação precisa. É claro que o golaço que marcou foi importante, mas o Imperador ainda precisa provar que não é jogador de apenas um tempo. Se tivesse se preparado melhor, poderia inclusive ser opção ao visivelmente esgotado Liedson.

Agora temos que torcer por uma vitória contra o empenhado Figueirense, para garantir de vez as chances do Timão chegar ao pentacampeonato, já que o último jogo é contra o Palmeiras, que deve se esforçar ao máximo para evitar o título corintiano.

Para finalizar, vou repetir a dose de Mad Season, já que gostei tanto de relembrar esta banda. Aqui, uma versão ao vivo de “I don´t know anything”. Abraços.

[youtube]http://www.youtube.com/watch?v=f153VyiZpmw[/youtube]

Dois lados da mesma moeda

Emerson marcou o segundo gol no jogo contra o Atlético Paranaense. Foto: Terra

É pra ficar impressionado. O Corinthians que atuou contra o Atlético Paranaense no Domingo assumiu comportamentos distintos nos dois tempos de jogo. No primeiro tempo, parecia ter superado toda a apatia com que atuou no jogo anterior, contra o América-MG (que por sinal acabou ajudando o Timão nesta rodada, ao tirar do Fluminense a chance de assumir a liderança). Foram dois gols logo no início do jogo, um de Paulinho e outro de Emerson. Daí em diante, o time jogou bem, e o cenário que parecia se desenhar era de uma goleada. Mas não foi o que aconteceu. Com um bom resultado, o Timão voltou ao segundo tempo aparentemente sem a menor vontade. O castigo veio rapidamente, com o gol do mais que veterano Paulo Baier, após um vacilo da zaga. Estava de volta o time apático da rodada anterior, e cheguei a pensar que o Atlético Paranaense fosse empatar o jogo.

Adenor não foi bem nas alterações.

Sobre as substituições promovidas por Tite, achei que ele tentou mudar o esquema do jogo em momento inapropriado, primeiro tirando o único atacante de área, Liedson, pra promover a entrada de Morais no meio de campo, o que não melhorou em nada o time. Logo depois, recompôs o ataque promovendo a entrada de Adriano no lugar de Willian, voltando ao esquema de dois atacantes. Adriano, visivelmente mais magro (embora tarde demais, digamos) se movimentou bem e procurou o gol, mas não adianta, ainda lhe falta muito ritmo de jogo, que não será alcançado nesta temporada. Wallace, que entrou no lugar de Welder no finalzinho, não teve tempo de fazer alguma diferença.

Bem, de resto, não há novidades: o Corinthians continua líder, com o Vasco (que ganhou do Botafogo com direito a espetáculo de Dedé) em sua cola, e vai contando com muita sorte neste campeonato nivelado por baixo. O mínimo que podemos esperar é que o Timão vença os próximos jogos, para conquistar este título com um pouco mais de emoção. Vamos torcendo.

Pra finalizar, fiquem com a banda que anunciou seu retorno com a formação clássica, o Black Sabbath, aqui tocando a faixa-título de seu disco de 1978, “Never say die”:

[youtube]http://www.youtube.com/watch?v=FnMoLwmGaBE[/youtube]

A falsa impressão de equilíbrio

É muito comum ler no noticiário esportivo afirmações de que o Corinthians tem um grupo coeso, unido, que a harmonia impera, que está sempre tudo bem pelos lados do Parque São Jorge. Isso na verdade não corresponde inteiramente com a verdade, se formos prestar atenção. Fala-se muito das boas peças de reposição dentro do elenco, mas a verdade é que temos certo desequilíbrio, principalmente na parte defensiva. Ralf não tem reserva (não adianta, Moradei e Bruno Octávio não têm condições de substituí-lo), Fábio Santos e Ramon são limitados, Alessandro não tem o mesmo fôlego e Welder é uma incógnita. O mesmo vale para Edenilson, que joga mais como segundo-volante, mas às vezes é improvisado na lateral direita. A zaga reserva, Chicão e Wallace faz o básico, sendo que o primeiro não é nem sombra do capitão de outrora.

No jogo contra o América-MG, Tite apostou alto. Alex, que já vinha com problemas físicos, saiu logo no início. Liedson há muito tempo vem deixando a desejar, talvez até pela maratona de jogos que enfrentou. A única opção para sua posição seria Adriano, que veja bem, não é opção.

Julio César falhou contra o América-MG, mas não é o caso de promover mudanças em seu setor

Mas no que diz respeito ao confronto com o lanterna do campeonato, não dá muito pra avaliar individualmente. Pelo que pude ver, a equipe toda esteve apática, sem demonstrar aquele espírito apresentado na virada contra o Avaí. Aliás, isso é uma coisa que precisa ser revista pelo nobre Adenor. Vale mesmo a pena confiar sempre em uma tática que priorize somente a motivação, a superação, a ideia de que vamos virar a qualquer momento?

E pensemos: será que era o caso para entrar com o meio de campo e ataque titulares? Afinal, se os jogadores estão “jogando no sacrifício” (casos de Alex e Liedson), não seria melhor dar a eles uma folga, para voltarem melhores nas últimas rodadas? “Ah, mas correria o risco de perder o jogo”, diria alguém. Bom, perdeu o jogo com eles em campo, e ainda é provável que tenha o desfalque de pelo menos um deles – Alex – por algum tempo. Talvez até o final do campeonato. Jorge Henrique também ainda é dúvida, e pode ser que Tite utilize o trio Emerson, Willian e Liedson como titulares.

Este jogador assinou contrato com o Corinthians já faz algum tempo.

Quanto à falha do goleiro Julio César, sim, é notória. Mas a única opção que temos no momento é acreditar nele, já que Renan não demonstrou segurança quando foi utilizado, e Danilo Fernandes é apenas um bom reserva. Fala-se na contratação de Fábio, goleiro do Cruzeiro, para o próximo ano. Sinceramente? Não considero uma boa opção.

Agora, a esperança é que os adversários continuem tropeçando, e que o Fluminense não dê sequência em sua repentina ascensão. Além disso, é preciso que o time volte a jogar com vontade. Mas tem que dominar o tempo inteiro, não ficar confiando em sorte ou superação. É isso.

Fiquem com os parceiros Lou Reed e Metallica fazendo “White Light/White Heat” do Velvet Underground.

[youtube]http://www.youtube.com/watch?v=PSQAvA64mss[/youtube]

Superação!

Prezados amigos, hoje vou me dar ao luxo de falar um pouco sobre administração de empresas, psicologia e até de física, tudo isso para contextualizar a rodada deste último final de semana.

Prometeu e cumpriu: Sheik entrou em campo dizendo que o Timão viraria o jogo.

Existe um termo chamado resiliência, oriundo da física, que se refere à capacidade de alguns materiais de armazenarem energia quando submetidos a situações de estresse sem ruptura, sendo possível voltarem a seu estado original após cessar a tensão. Este mesmo termo é usado na administração de empresas e na psicologia, onde se diz que o ser humano resiliente é aquele capaz de superar situações estressantes sem se deixar abalar, prosseguindo com seu trabalho, contornando as adversidades.

No jogo contra o Avaí, havia muitos motivos para jogar a toalha. Ao tomar o gol de Robson, o time parecia ter sentido o golpe. Não se imaginava que o resultado pudesse ser revertido (neste momento, eu assistia Vasco x São Paulo, e tentava acompanhar o jogo do Pacaembu pelo celular). Ainda no primeiro tempo, Tite teve que substituir Jorge Henrique, lesionado, por Emerson Sheik, que entrou com muita vontade e foi, junto com Willian e Liedson, o protagonista da virada.

Logo no início do segundo tempo, aconteceu a expulsão de Leandro Castán, deixando a defesa do Corinthians vulnerável. Foi aí que se deu a concretização do que eu chamo de resiliência. A equipe foi capaz de se adaptar e acreditar que a virada era possível. E ela aconteceu. Primeiro com o grande esforço de Willian e Sheik, que empatou o jogo. Com a Fiel empurrando o time, o Timão chegou à virada, com um gol que muito classificaram como “chorado”, o que eu não concordo. Simplesmente porque Felipe foi buscar a bola dentro do gol. Bem, se a bola ultrapassou a linha, não foi gol chorado, foi apenas gol. E definiu o resultado. Pra melhorar, o Vasco não saiu do empate com o São Paulo, muito disso graças à atuação do goleiro Denis, que merecia receber o salário dos zagueiros do São Paulo, pelo tanto que trabalhou ontem.

Agora, resta ao Timão manter a atitude vencedora, pois por mais que não dê para se fazer previsões, tem um caminho muito mais tranquilo do que o adversário direto, o Vasco, a ser percorrido. Para o próximo confronto, contra o desesperado América-MG, Chicão pode voltar à equipe, já que Paulo André tomou o terceiro cartão amarelo e Castán foi expulso. Vamos ver como irá se comportar o ex-capitão.

E aqui fica meu reconhecimento ao trabalho do treinador Tite, a quem tanto critiquei neste mesmo espaço. Neste momento, com um bom elenco e boas peças de reposição, o técnico tem conseguido engajar seu grupo. Se o título vier, grande mérito dele. Acho que a hora é de dar crédito. Vamos torcer.

Fiquem com uma música da trilha do filme “Backbeat – Os cinco rapazes de Liverpool”, executada pelo supergrupo Backbeat, formado por Greg Dulli (The Afghan Wighs), Dave Pirner (Soul Asylum), Thurston Moore (Sonic Youth), Don Fleming (Gumball), Mike Mills (REM) e Dave Grohl (Nirvana, Foo Fighters e uma pá de bandas que você conhece). Aqui, “Money (That´s what i want)”.

[youtube]www.youtube.com/watch?v=UNRrJMXzpsU[/youtube]

Peixe bota fogo no Brasileirão

O Peixe recebeu o Botafogo na Vila Belmiro na noite desta quarta-feira (19/10) pela última rodada atrasada que a equipe Santista tinha a disputar.

O Santos contava com a volta de Neymar e com a artilharia pesada de Borges e precisava vencer para convencer a todos que está tudo sob controle na baixada. A equipe tomou a iniciativa do jogo e conseguiu impor um ritmo de jogo logo no primeiro tempo, o que deu tranquilidade para a equipe administrar o jogo.

Neymar fez um belo gol e encerrou um breve jejum, já que não marcou pela equipe santista nas últimas partidas. O Botafogo ainda sim tentava algumas investidas, porém sem sucesso e com mais uma bela apresentação do arqueiro santista Rafael ficava ainda mais difícil.

Aos 28 minutos da etapa inicial, Borges soltou uma bomba de fora da área e ampliou o marcador para o Peixe. Este é o 22º gol do Artilheiro que se igualou a Serginho Chulapa, como maior artilheiro da equipe Santista em uma única edição do Campeonato Brasileiro.

 

Os maiores artilheiros do Peixe em uma mesma edição do Campeonato Brasileiro

 

 

Quer dizer, o Peixe mesmo sem muitas pretenções no BR11, pode ajudar a decidir o Campeão, já que nas próximas rodadas enfrenta adversários diretos pelo título.

A equipe do Santos deixou a parte de cima da tabela do BR11 embolada, agora todos estão com 30 jogos e as próximas rodadas prometem ser decisiva para o futuro dos times que brigam pelo título e pela vaga na Libertadores 2012.

 

Quem levará a Taça do Brasileirão 2011 ?

 

Em quanto a disputa no BR11 continua quente, a equipe Santista continua se preparando para o Mundial Interclubes no final do ano no Japão. Ganso, que continua em recuperação deve ser a novidade no jogo contra o Vasco na Vila Belmiro (06/11/2011). Muricy ainda busca a melhor formação e pode até poupar alguns jogadores nas rodadas finais do BR11 pensando no desgaste dos atletas no final da temporada.

 

Nesta única partida do BR11 no meio de semana, deixamos um vídeo do grande mestre do Heavy Metal Ronnie James Dio:

 

[youtube]http://www.youtube.com/watch?v=tYlDltwm-JY[/youtube]