Palmeiras dá a largada em sua busca pela América!

O ano de 1999 foi o ultimo das grandes conquistas alviverdes. Em 2009 completará 10 anos que o Palmeiras conquistou a América e é certo que os palestrinos, impacientes pela longa fila e ávidos por conquistas, aguardam ansiosamente o time na disputa direta e não apenas simbólica, da competição mais importante do continente. Contudo há de se lembrar que é preciso passar pelo ano de 2008 e se o clube quer realmente selar o quanto antes o seu retorno a Libertadores, deve tentar esquecer seus atuais fantasmas, desenterrar o sapo colocado em seu estádio e fazer bonito na competição que se inicia hoje para ele – A Copa do Brasil.

Motivos para apreensão existem aos montes, a começar pela inconsistência técnica e tática da atual equipe. O Palmeiras e seus parceiros investiram pesado, montaram um time credenciado a ganhar tudo, mas até agora nada!

Nas ultimas temporadas o time vem sofrendo vexames históricos na competição que hoje se inicia. Nem é necessário tanto esforço para se lembrar dos “assustadores” Asa de Arapiraca, Santo André, Ipatinga e da sonora goleada de 7X2 sofrida em pleno Palestra Itália, contra o algoz Vitória. E se você é da ala dos pessimistas, pode ir além e associar o nome do adversário dessa noite, o Cene, ao outro fantasma contemporâneo do time, o São Paulo Futebol Clube ou mais precisamente ao seu goleiro, Rogério “Ceni”. É amigo, como diria aquele famoso narrador “haja coração!”. Mas nem tudo são pedras e por mais que o time do Jardim Suspenso ainda não tenha encontrado o futebol esperado, existem sim motivos para se entusiasmar, afinal o elenco é muito bom, a comissão técnica é de primeiríssimo nível e essa diretoria parece ter uma mentalidade de acordo com a grandeza do clube que comanda. Uma hora há de encaixar!

O Palmeiras deve ir a campo hoje com – Marcos; Gustavo, Henrique e Martinez; Élder Granja, Pierre, Léo Lima, Diego Souza e Leandro; Valdívia e Alex MineiroTécnico: Wanderley Luxemburgo.

Hoje começa o ano Tricolor!

É isso aí, meus amigos, hoje começa o ano Tricolor! E parece que as coisas já começaram melhor, com a provável escalação do Muricy:

um 3-5-2 com Miranda, André Dias e Richarlyson na zaga; Zé Luís e Fábio Santos de volantes; Joílson e Jorge Wagner nas laterais; Hernanes como meia e na frente Borges e Adriano.

Não, ainda não aprovo o desmanche da dupla de volantes Hernanes e Rycharlison. Também não acho que o Richarlyson funcione de zagueiro. Mas pelo menos o Jorge Wagner caiu para a lateral e, se os caras não baterem cabeça, Zé Luís e Fábio Santos formam uma dupla confiável. Boto fé no Hernanes como meia, sempre lembrando que Carlos Alberto estará no banco.

Que comece o espetáculo!

No Maracanã, o espetáculo do futebol

Para um paulista, ainda que flamenguista de moleque, o campeonato carioca é deveras curioso. Um campeonato com duas ou três finais para se decidir o super campeão. A primeira parte dessa história foi decidida ontem num confronto que certamente entrará para a história de Flamengo e Botafogo – um jogo para coroar ressurreição do futebol do Rio vista no último ano – a disputa pela Taça Guanabara.

Chances iguais para os dois lados, com predomínio do Botafogo no primeiro tempo e do Rubro-Negro no segundo. Um pênalti daqueles que, sendo marcado, gerou inconformismo na torcida do Fogão. Não o sendo, deixaria os flameguistas indignados. Chuva torrencial e um golaço do outrora polêmico e agora candidato a novo xodó da massa rubro-negra Diego Tardelli.

Tanto Botafogo quanto Flamengo estão fazendo um belo trabalho, reestruturando-se. É certo que derrotas nessas circunstâncias são mais sofridas, mas o caminho é a perseverança e não decisões abruptas que podem por tudo o que já foi conquistado a perder. Por isso, a nota triste vem do pós jogo. Infelizmente virou mania nacional se reclamar acintosamente das arbitragens no Brasil. Dirigentes, técnicos e comentaristas esportivos parecem mais interessados em fomentar esse tipo de discussão – inócua – do que celebrar o espetáculo do futebol que foi visto ontem no Maracanã.

Isso será tema de outras colunas. Hoje ficamos por aqui, ao som de Roberto Carlos – não o lateral.

La Mano de Díos

Os times que não engrenam

São Paulo e Palmeiras têm hoje, no papel, os melhores escretes do Brasil. E mesmo assim não engrenam. O Tricolor Paulista male male segura um empate com o Noroeste (para não falar nos vexames recentes) e o Verdão da Capital não convence, por mais que Luxemburgo e grande parte da mídia esportiva brasileira o elejam como o papão do ano.

Aí eu pergunto: o que acontece?

Com certeza, cada um terá sua resposta, e por isso fica aqui a minha: falta ousadia para o Tricolor e culhão para o Verdão.

Ousadia, coisa que desde sempre faltou ao Muricy. Ousadia para colocar Jorge Wagner na lateral esquerda, parar de inventar com o Rycharlisson e treinar os laterais para subir até a linha de fundo. Qualquer um que assiste aos jogos do São Paulo já percebeu: Jorge Wagner não é o meia que o Muricy tenta fazer, e Rycharlisson é volante. Um excelente volante.

Além disso, os laterais tricolores têm que se comportar como laterais modernos. Tendo volantes bem posicionados e um ataque composto por dois armários, está mais do que na hora de Jorge Wagner e Joílson se revezarem nos cruzamentos. Ouse, Muricy.

Já do lado verde, já passou do tempo dos caras fazerem valer todo o hype. Cadê o nó tático do Luxemburgo? Cadê os craques da Traffic? Diego Souza e Valdívia são incensados como craques, Lenny é a mais nova jovem promessa do futebol brasileiro, mas está cada vez mais claro que quem segura as pontas no Verdão são o Pierre e o Marcão. E logo logo o Pierre vai embora. Abre o olho, Palmeiras!

Em tempo: eu acredito no Botafogo. Mas o pós-jogo de ontem da Taça Guanabara foi digno de pena. Prestem atenção, Bebeto e Cuca, não joguem fora toda a credibilidade que vocês com tanto custo conquistaram…

E para acabar: todo meu apoio ao nosso brasileiro-croata-inglês Eduardo da Silva. Muita força nessa hora!

A música do dia vai para ele: Jimmy Cliff – Many Rivers to Cross

Futebol e Bons Sons!