Kleina segue no comando do Palmeiras na temporada (Foto: Eduardo Viana/LANCE!Press)

DE QUEM É A CULPA?

Kleina segue no comando do Palmeiras na temporada (Foto: Eduardo Viana/LANCE!Press)
Kleina segue no comando do Palmeiras na temporada (Foto: Eduardo Viana/LANCE!Press)

O Palmeiras está eliminado do Paulistão 2014. Mais um vexame diante da torcida no Pacaembu. Desta vez, para o modesto Ituano, dono da melhor defesa do Estadual (10 gols sofridos), porém clube da Série D do Campeonato Brasileiro. Mesmo assim o bom elenco alviverde não resistiu as baixas inesperadas de Fernando Prass, Alan Kardec e, principalmente, Valdívia e deu adeus ao sonho da conquista do título.

Embora a cabeça do palmeirense esteja inchada, o trabalho tem, e deve, continuar.

Após o apito final, notei certo conformismo com a derrota por parte de alguns torcedores.

Na volta, caminhávamos em direção à Avenida Paulista e a impressão que se tinha é que virou uma triste rotina o Palmeiras fracassar em decisões. O pessoal estava revoltado, mas não se ouvia um comentário sequer em tom de desabafo do amigo do lado. Apenas um melancólico silêncio. E isso é extremamente preocupante.

Por outro lado, o palestrino não deve se culpar. Afinal, durante esta maré de azar que insiste em não passar, não houve tempo ruim que o afastasse de fazer sua parte. Neste fatídico 30 de Março de 2014, foram quase 30 mil vozes que, a plenos pulmões, empurraram os comandados de Gilson Kleina em busca do principal objetivo: a vaga na final.

Não deu.

Mas, e agora? Quem culpar?

O técnico?

Os jogadores?

A Diretoria?

As Organizadas?

Se analisarmos pela ótica imediatista, algo natural na cultura do futebol brasileiro, Kleina realmente não ostenta de bons resultados até o momento em seus quase dois anos à frente de um dos maiores clubes do Brasil. Foram diversas eliminações, exceto a tranquila campanha na Série B de 2013, que não passou de obrigação. Fora isto, a trágica desclassificação para o Galo de Itu torna-se apenas mais uma na lista do atual treinador. Que tem seus méritos e é bom técnico, mas merece ser cobrado.

Alguns atletas que entraram em campo chamaram a atenção pela apatia e, sobretudo, falta de personalidade. Casos de Leandro e Bruno César. Principalmente o primeiro, que depois que virou jogador definitivo do Palmeiras esqueceu de jogar bola.

Totalmente inoperante.

Já o camisa 30 merece uma ressalva por ter acabado de chegar. Entretanto, este Bruno César não é nem sombra do efetivo jogador que se destacou no Santo André e Corinthians em 2010.

Precisa se condicionar o mais rápido possível.

Não vou nem citar Vinícius.

Por incrível que pareça, os únicos que, a meu ver, não tem culpa no fiasco é atual Diretoria.

Não há como negar que Paulo Nobre vêm realizando um bom trabalho no processo de reestruturação e reconstrução do clube. Aos poucos, tem obtido êxito. O problema é que o rombo é muito maior do que se possa imaginar. E, infelizmente, a pressão é refletida no campo quando o resultado não é o esperado.

Pior do que a eliminação, foi a atitude de alguns integrantes da Organizada, que, por sinal, é desafeta declarada do atual presidente.

Enquanto eu e meus amigos comíamos um lanche após a partida, fomos surpreendidos por um pequeno grupo que subia uma das ruas que dão acesso ao metro. O bando  entoava gritos de pura revolta contra à diretoria e, especialmente, sócios do Avanti. Como se a culpa pela derrota fosse de quem faz parte do programa. E, eles, torcedores exclusivos, “que acompanham o time aonde ele for”, fossem mais palmeirenses que todos os outros e, assim, estivessem no justo direito de cobrar e hostilizar o torcedor comum.

O verdadeiro palmeirense.  O maior patrimônio do clube.

Sou contra o fim das Organizadas, mas, muitas vezes, as atitudes de alguns membros, como esta e outras que são do conhecimento de todos, como os atos de violência, corroboram para que se forme uma opinião totalmente negativa quanto a eles.

E aí, torcedor alviverde? De quem é a culpa?

2 ideias sobre “DE QUEM É A CULPA?”

  1. Não da pra culpar o elenco, o técnico ou a diretoria analisando toda a campanha, é obvio.
    Porém, individualmente, acredito que no mínimo a partida iria para as penalidades se não fosse mais uma falha esdruxula do goleiro Bruno. O Palmeiras não perdia no Pacaembu desde a eliminação na Libertadores para o Tijuana do México em maio 2013, quando exatamente ele tomou aquele peru que desestabilizou o time na partida.
    Não tem como tomar um gol daquela distância, foi frangasso na minha humilde opinião.
    Quanto ao técnico, também falhou, afinal se o Mago não podia jogar, porque ficou no banco? Depois que ele entrou o time mudou. Se era para não tomar o segundo amarelo e ficar fora do primeiro jogo da final, pouco adiantou, porque ele entrou e tomou.
    Mancha Verde não representa a verdadeira torcida do Palmeiras, afinal pra ser Palmeirense não é preciso ir a todos os jogos ou mesmo ir a jogo algum, e como foi bem colocado no texto, eles não são melhores que os outros.
    O jeito é continuar torcendo, bola pra frente.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *