Chazinho de Coca – Após 44 anos, a Espanha reconquista a Europa.

Após 44 anos, a Espanha reconquista a Europa.

Na competição que muitos consideram a Copa do Mundo, sem Brasil e Argentina, a Espanha deixa a síndrome de amarelar em decisões de lado e com propriedade, qualidade e muita personalidade, bate a temida Alemanha e é campeã da Eurocopa pela segunda vez na história.

Com todo respeito que Grécia e Portugal merecem, mas é impossível não salientar a evolução no futebol apresentado pelas seleções européias na edição 2008 da Euro e a diferença entre aquela final e a desse ano entre Alemanha X Espanha. Em 2004 a Grécia assombrou o mundo ao chegar a final da Euro, depois de mostrar um futebol pragmático e extremamente defensivo durante toda a competição. Para piorar, bateu Portugal na final, que além de donos da casa, ainda eram apontados como favoritos. O bom futebol estava em cheque.

A edição de 2008 começou com a desconfiança de boa parte da imprensa e dos torcedores, mas logo nas primeiras partidas, percebeu-se que o fantasma do futebol de resultados estava sepultado. Holanda, Portugal, Rússia, Alemanha e Espanha nos brindaram com belas partidas, com craques e principalmente com gols, muitos gols. Elas sobraram até que começaram a se encontrar nas fases finais e, apesar de algumas surpresas, chegou a final quem fez por merecer.

A Alemanha chegou a sua maneira, com futebol calculado, precisão cirúrgica e principalmente devido à ótima fase de Schweinsteiger, Metzelder, Lahn e Ballack.

A Espanha mostrou, ao lado da Holanda, só que com mais eficiência, o melhor futebol da competição. Destaques individuais foram muitos, principalmente Xavi, Marcos Senna, Casillas, Fernando Torres, Fábregas e, sobretudo, Davi Villa. O técnico Aragonés também teve grande mérito na campanha.

Na grande final, o domínio da Espanha foi flagrante durante toda a partida. Com um gol assinalado por Torres ainda no primeiro tempo, a Fúria começou a espantar a síndrome de vira-lata antes que a Alemanha pudesse colocar seu competitivo futebol em prática. O resultado foi um massacre territorial da Espanha, mesmo sem seu grande destaque na competição, Villa, que machucado deu lugar a Fábregas.

Schweinsteiger não repetiu as belas atuações, Ballack sumiu, Klose pouco tocou na bola e mesmo depois das entradas de Kuraniy e Mario Gómez, a Alemanha pouco produziu. Pelos lados espanhóis, Marcos Senna comeu a bola, Xavi e Fernando Torres também jogaram muito. A vitória por 1X0 foi pouca pela diferença entre as duas equipes, mas foi suficiente para coroar a melhor equipe da competição. Aquela mesma que é sempre colocada de lado nas apostas das grandes competições, aquela que vive com o estigma de vira-lata, a Espanha, que depois de muito tempo, fez valer a alcunha de Fúria.

Chega ao fim a melhor edição de Eurocopa dos últimos tempos. Nenhum grande gênio surgiu, mas muitos bons jogadores se destacaram e fizeram a diferença. Mas principalmente no aspecto tático. Vimos uma Holanda assombrando as poderosas Itália e França. Uma seleção portuguesa mostrando um grande futebol. Uma Alemanha abandonando o pragmatismo de sempre e partindo pra cima. Uma jovem e promissora seleção russa e principalmente a espetacular geração espanhola, que se já foi um assombro em 2008, promete muito mais para 2010.

Uma Euro histórica, com grande futebol e um campeão cheio de brilho. Essa Euro vai deixar saudades.

Ao som de White Stripes – Seven Nation Army

Um enorme abraço,


Warning: count(): Parameter must be an array or an object that implements Countable in /home/t990olqj3thq/public_html/wp-includes/class-wp-comment-query.php on line 405

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *