Arquivo da categoria: Chazinho de Coca

O Futebol, a ironia, as histórias.

SANTA INOCÊNCIA

Post de 2 de maio

 

Eu ainda não consegui concluir se é mais inocente quem se surpreendeu com o declarado posicionamento político do Felipe Melo ou se é o próprio Felipe Melo ao declara-lo como o fez. De cada 10 palavras proferidas em seus acalorados discursos, 6,7 envolvem a religião. FM é um religioso fervoroso, o que já o coloca dentro de um alinhamento discursivo identificado com o conservadorismo. E aqui não emito juízo de valor, OK?

Felipe Melo não é ídolo do Palmeiras. E não por ter declarado seu apoio ao Bolsonaro, mas por não ter tido sequer tempo de conquistar em campo o direito de ostentar essa alcunha.

Em campo FM tem sim conquistado um séquito de fãs por conta de suas atuações, já que é muito bom de bola, além de sua entrega incomum. Consegue dentro das quatro linhas ser um líder – mais um deles. Líder, no entanto, não significa ídolo. Ídolos no atual elenco são Fernando Prass e Dudu (pessoalmente coloco Zé Roberto também).

Mas é bizarro notar como a porrada dada em Mier na última quarta-feira alternou sua simbologia. O que era um soco na cara do racismo e da intolerância, hoje é muito mais um ato de autodefesa. A mim não convence o papo inconformado com as ofensas uruguaias e ao mesmo tempo alinhar apoio a Bolsonaro.

Ainda assim, não espero que o torcedor alviverde mude sua conduta com o jogador Felipe Melo. O canto dedicado a ele antes de cada partida deverá continuar sendo entoado, desde que FM continue também entregando em campo os 101% que entrega desde sua estreia.

Ídolos, no entanto, se constroem muito também de suas virtudes além do campo de jogo, e a mim, sendo aqui bem egoísta na análise, FM é um improvável personagem merecedor de irrestrita admiração.

SAO PAULO - SP - ESPORTES - 17/01/2017 -  O volante Felipe Melo e apresentado oficialmente apos treino do Palmeiras no CT Academia de Futebol, na Barra Funda, zona oeste de São Paulo, nesta terca-feira (17). ICARO LIMAVERDE/ESTADAO CONTEUDO
SAO PAULO – SP – ESPORTES – 17/01/2017 – O volante Felipe Melo e apresentado oficialmente apos treino do Palmeiras no CT Academia de Futebol, na Barra Funda, zona oeste de São Paulo, nesta terca-feira (17). ICARO LIMAVERDE/ESTADAO CONTEUDO

A MERECIDA VITÓRIA CORINTIANA EM UMA NOITE PARA O PALMEIRENSE ESQUECER

Foram 66% de posse de bola alviverde contra apenas 34% do alvinegro, além de 13 finalizações contra oito. Nos cruzamentos outra larga vantagem, 28X12. O Palmeiras acertou 372 passes contra somente 153 do Corinthians.

Não parece, mas o Corinthians mereceu vencer o primeiro derby do centenário duelo. Claramente inferior tecnicamente, quem ditou o ritmo do jogo foi justamente o dono da casa. E não haveria outro modo de encarar o campeão brasileiro se não imprimir um jogo físico, de poucos espaços e pressão na saída de bola. Caberia ao Palmeiras sair desse jogo claramente favorável ao adversário e colocar a bola no chão, distribuir melhor seu jogo com inversão de lados e mais movimentação do meio campo. Não o fez, quis entrar no duelo pegado do Corinthians e, neste quesito, perdeu feio.

Ainda assim Keno poderia ter definido o duelo na primeira etapa, quando mandou bola no travessão de Cássio e perdeu – sim, perdeu- gol feito após lançamento primoroso de Felipe Mello. O Corinthians tinha em Gabriel o expoente de seu jogo, vibrado, pegado e de superação. E quase saiu de uma linda pancada de fora da área do ex-palmeirense o gol corintiano.

E ao falar de Keno, entro nos (de) méritos individuais alviverdes. Keno foi muito mal, tanto no aspecto técnico quanto no aspecto moral. Por mais que no futebol seja prática corriqueira o uso de aspectos de persuasão, tem uma Sapopemba de diferença você simular uma falta e apontar para um jogador adversário uma culpa que não lhe compete, que foi exatamente o que Keno fez na lamentável e estapafúrdia expulsão de Gabriel. Um lance já exaustivamente discutido e que não deixa nenhuma margem para ponderação. Foi sim um erro crasso do juiz, que poderia tranquilamente ter dado ouvido aos conselhos do 4º árbitro e não o fez. E Keno, ao ver que o vermelho fora aplicado ao jogador errado, olha para o banco alviverde e comemora. Vexatório!

Para a segunda etapa, tendo um jogador a mais e com Felipe Mello com um corte muito feio no supercilio, era muito mais jogo Eduardo Batista manter Raphael Veia no jogo para ser o armador do time e entrar com Guerra na vaga de Felipe Mello. As trocas de Eduardo foram basicamente seis por dúzia, já que na sequencia Felipe Mello pediu para sair e em seu lugar ele mandou Thiago Santos. Taticamente nenhuma mudança ao jogo de ataque contra defesa que virou a partida, onde o Palmeiras teve pouca ou quase nenhuma efetividade. Uma cabeçada de Keno a queima roupa em que Cássio fez grande defesa e um gol impedido de Mina em uma infindável maratona de cruzamentos quase sempre muito bem anulados pela defesa corintiana.

No mesmo dia e que o Palmeiras viu Lucas Barrios ir para o Grêmio, viu também Alecssandro entrar e não fazer absolutamente nada, além de tomar um cartão amarelo merecido, em mais uma substituição sem nenhum acréscimo tático de Eduardo Batista.

E foi no gol corintiano, onde a falha de um Guerra que claramente não entendeu ainda o que significa um derby contra um vigoroso Maicom, que em seu bote certeiro praticamente deu o gol da vitória ao alvinegro marcado por Jô, fica clara a maneira com que Fábio Carille preparou o seu Corinthians para encarar um derby centenário como ele deve ser, enquanto o Palmeiras de Eduardo Batista, com certa empáfia, entrou para disputar apenas mais um jogo de Campeonato Paulista.

jogo

MELHORES DO BRASILEIRÃO 2016 – FEROZES FC

Em uma temporada de baixas para quem vinha de temporadas em alta, queda para quem jamais havia sentido o gosto do rebaixamento e da ratificação de uma hegemonia que há muito tempo vinha correndo riscos, o Brasileirão 2016 distribuiu destaques por todos os cantos, em quase todas as equipes, mesmo as que flertaram e fecharam com o rebaixamento, mas, sobretudo, no campeão e nas equipes que lhe acompanharam na disputa.

O time do FFC faz desde 2008 suas seleções com os melhores dos campeonatos, e 2016 não será diferente. Seguem os times, os técnicos e os destaques do BR16 para a equipe FFC e convidados ilustres:

 

João Paulo Tozo (Ferozes FC)

Jailson (Palmeiras); Jean (Palmeiras), Geromel (Grêmio), Vitor Hugo (Palmeiras) e Fábio Santos (Atlético MG); Renato (Santos), Moisés (Palmeiras); Dudu (Palmeiras), Diego (Flamengo) e Robinho (Atlético MG); Gabriel Jesus (Palmeiras).

Técnico: Cuca (Palmeiras)

Craque do Brasileirão: Dudu (Palmeiras)

 

Márcio Viana (Ferozes FC)

Jailson (Palmeiras); Victor Ferraz (Santos), Geromel (Grêmio), Mina (Palmeiras) e Jorge (Flamengo); Tchê Tchê (Palmeiras), Moisés (Palmeiras), Arrascaeta (Cruzeiro) e Diego (Flamengo); Dudu (Palmeiras) e Gabriel Jesus (Palmeiras)

Técnico: Cuca (Palmeiras)

Craque do Brasileirão: Dudu (Palmeiras)

 

Almir Breviglieri Jr. (Ferozes FC)

Sidão (Botafogo); Victor Ferraz (Santos), Geromel (Grêmio), Vitor Hugo (Palmeiras) e Zé Roberto (Palmeiras); Willian Arão (Flamengo), Moisés (Palmeiras), Dudu (Palmeiras) e Diego Ribas (Flamengo); Ricardo Oliveira (Santos) e Gabriel Jesus (Palmeiras)

Melhor técnico: Alexi Stival “Cuca” (Palmeiras)

Craque do Brasileirão: Gabriel Jesus (Palmeiras)

 

 Felipe Oliveira (Ferozes FC)

Jailson (Palmeiras); Jean (Palmeiras), Mina (Palmeiras), Geromel (Grêmio) e Jorge (Flamengo); Renato (Santos), Moisés (Palmeiras) e Diego (Flamengo); Dudu (Palmeiras), Robinho (Atlético MG) e Gabriel Jesus (Palmeiras)

Técnico: Cuca (Palmeiras)

Craque do Brasileirão: Moisés (Palmeiras)

 

Leonardo Miranda (do Blog Painel Tático, do GloboEsporte.Com)

Jailson (Palmeiras); Jean (Palmeiras), Geromel (Grêmio), Vitor Hugo (Palmeiras) e Zeca (Santos); Renato (Santos), Moisés (Palmeiras), Dudu (Palmeiras), Diego (Flamengo) e Robinho (Atlético MG); Gabriel Jesus (Palmeiras)

Técnico: Dorival Jr. (Santos)

Craque do Brasileirão: Dudu (Palmeiras)

 

Celso Cardoso (TV Gazeta)

Jailson (Palmeiras); Victor Ferraz (Santos), Geromel (Grêmio), Mina (Palmeiras) e Zeca (Santos); William Arão (Flamengo), Tche Tche (Palmeiras), Moises (Palmeiras) e Lucas Lima (Santos); Marinho (Vitória) e Gabriel Jesus (Palmeiras)

Técnico: Dorival Jr (Santos)

Craque do Brasileirão: Moisés (Palmeiras)

Pedro Molina (Ferozes FC)

Vanderlei (Santos); Victor Ferraz (Santos), Mina (Palmeiras), Rever (Flamengo) e Jorge (Flamengo); Renato (Santos), William Arão (Flamengo), Tche Tche (Palmeiras) e Dudu (Palmeiras); Robinho (Atlético MG) e Gabriel Jesus (Palmeiras)

Técnico: Cuca (Palmeiras)

Craque do Brasileirão: Gabriel Jesus (Palmeiras)

————————————————————————————

 

Pedro Molina elencou os melhores da temporada ,e todos nós do Ferozes FC endossamos a justíssima homenagem.

Seleção da Temporada: Danilo, Caramelo, William Thiego, Neto, Dener Assunção, Josimar, Gil, Cleber Santana, Ananias, Tiaguinho, Kempes, Bruno Rangel…

Técnico: Caio Junior.

ffc

O MAIOR EXEMPLO QUE FUTEBOL PRODUZIU PARA O MUNDO

Neste mundo que nunca foi tão futebol como ontem, costumeiramente é dito sobre o simulacro de vida que o futebol representa, seja para o (muito) bem ou para o muito mal. 

No mesmo dia em que vivenciamos dois povos se tornando um e transformando em um, um mundo de pessoas que entende essa dor e produz tantas demonstrações de amor, tivemos também os shows de horrores, de desamores e da mais completa falta de empatia vindo lá de Brasília, vindo da CBF, de dirigente de clube. E se buscarmos tem mais, mas nem precisamos nos dar ao trabalho de buscar nada para saber o quão maiores foram e continuarão a ser as demonstrações de humanidade e irmandade. 

Sempre foi, mas será muito mais de agora em diante, muito mais que um esporte. 

Eu não sei o quanto o mundo sai diferente disso tudo. Mas não tenho dúvidas que para quem precisar, sai disso tudo o maior exemplo que o futebol já produziu para o mundo. 

#ForçaChape #GraciasColombia

 

chapecoense atletico nacional
chapecoense atletico nacional

NOVE VEZES CAMPEÃO DE TUDO

Restando apenas duas rodadas para o término do já histórico Brasileirão 2016, somente Palmeiras e Santos podem chegar ao título tão aguardado. E será histórica essa edição de 2016 pois sairá dela o desempate e a supremacia dentro do futebol brasileiro. São eles, Palmeiras e Santos, ambos com 8 títulos de campeonatos brasileiros, os maiores vencedores dos certames nacionais. Ao final dessa temporada somente um deles terá 9 conquistas, o enea tão aguardado e já gerador de tanta discussão.

Discussão já debatida em 2010, quando dei minha opinião sobre a unificação:

http://ferozesfc.blogspot.com.br/2010/12/chazinho-de-coca-comparadando-o.html

Você pode ser de enea, pode ser de penta e pode ser de tri, mas não pode ir contra uma história que não começou a ser escrita depois que você nasceu e nem é endossada por nomenclaturas adotadas pela TV ou pelos jornais.

Se o seu negócio é nomenclatura e isso torna Roberto Gomes Pedrosa, Taça Brasil e Campeonato Brasileiro coisas distintas, então está correto pensar que o Palmeiras será pentacampeão brasileiro, caso conquiste o pontinho que lhe resta em dois jogos a disputar. Como também será correto afirmar que o Santos será tricampeão, caso o Palmeiras perca seus dois últimos jogos e o Peixe garanta os seis pontos em disputa.

Aqui surge um problema para o amigo da nomenclatura, já que desde 1971 com a adoção do “novo” campeonato brasileiro, tivemos anos em que o Campeonato Brasileiro foi, na verdade, Copa União e João Havelange. Seus campeões não são, portanto, campeões brasileiros? Quais foram os campeões brasileiros nessas temporadas?

Você pode ser também dos que acham que a fórmula da disputa é que define o alinhamento histórico da conquista. Tendo em vista que mesmo considerando como campeonato brasileiro somente as disputas a partir de 1971, as regras, o número de participantes e os formatos de disputa foram os mais variados possíveis, desde sistemas eliminatórios, sistemas mistos de grupos e pontos corridos. Mesmo dentro dos atuais pontos corridos o número de clubes participantes começou de um jeito e hoje já é outro.

Se você é de fórmula e quer enquadrar Palmeiras e Santos em suas definições de campeões brasileiros, então para você o Palmeiras tem quatro títulos de campeonato misto e agora está perto de conquistar o primeiro em pontos corridos. Já o Santos não tem nenhum em formula mista, no entanto, briga pelo seu terceiro em pontos corridos.

O que não podem nem o amigo fã de nomenclatura e nem o camarada das fórmulas é desprezar a história. E é ela quem sempre disse, antes mesmo da CBF unificar tudo, que Palmeiras e Santos são os únicos clubes brasileiros a terem vencido todos, absolutamente todos os campeonatos que definiram os campões brasileiros ao longo da história do nosso futebol. Uma história que não passou a ser escrita em 1971 nem tampouco no ano em que você nasceu.

Uma história que te obriga a aceitar uma regra óbvia – a não ser que em algum momento sejam retomados o Robertão ou a Taça Brasil, serão estes dois clubes, Palmeiras e Santos, que brigam em 2016 pelo eneacampeonato, se você é de enea, pelo penta, se você é de penta, ou pelo tri se você é de tri, para todo o sempre, os únicos clubes brasileiros a terem vencido absolutamente tudo o que já se disputou de campeonato nacional.

E será somente um deles, a partir do próximo domingo ou ao término da rodada final, o eneacampeão brasileiro. Se preferir: o único clube de futebol nove vezes campeão do Brasil.

 

001-ademir-embaixo-das-pernas-de-pele