CADÊ O NOSSO MARACANÃ? NÃO EXISTE MAIS

Não sou carioca. Sou paulista. Palmeirense. Aspirante à jornalista. Nascido na Vila Mariana, morador da zona sul de São Paulo. Jovem e sonhador. Vivendo neste mundo louco pelos meus ideais, até que alguém me prove o contrário.

Pois bem.

Você, caro leitor Feroz, deve estar se perguntando o motivo deste meu início em um texto no qual o título remete a um estádio de futebol, não é?

Calma, eu explico!

No último sábado (27) foi reinaugurado o Maracanã – o (ANTES) maior templo do esporte bretão mundial.

Nunca fui ao Rio de Janeiro. Tampouco ao Maracanã. Sempre tive vontade, mas nunca foi possível visitá-lo.

Mesmo de longe, apaixonado pelo estádio sinto-me lesado pelo que fizeram com ele. Até por que foi eu, você e todos os brasileiros que, obrigados, contribuíram para que fosse realizada mais uma, dentre muitas já feitas, REFORMA no Mario Filho. Esta, que no final das contas se transformou no erguimento de um estádio praticamente novo, sem qualquer semelhança com o que fora jogado às ruínas.

Em detrimento de interesses pessoais e, principalmente, políticos assassinaram a história da antiga casa do torcedor do Rio de Janeiro e brasileiro.

O Maracanã, ou o “Maraca”, não existe mais. Ficou na memória. Quem viu, viu. Quem não viu, nunca verá, somente em fotos ou vídeos.

Lamento não ter tido a oportunidade de sentir aquelas estruturas tremerem. Lamento não ter subido a emblemática rampa. De ouvir a emoção, os gritos da torcida, a extinta geral. Lamento.

Ok, o novo estádio, QUE NÃO É O MARACANÃ, está muito bonito e confortável, segundo pessoas que compareceram ao evento-teste. Jogo disputado entre Amigos de Ronaldo x Amigos de Bebeto.

Moderno, porém totalmente desfigurado, esta é a visão interna do novo Maracanã (Foto: Site da Espn)
Moderno, porém totalmente desfigurado, esta é a visão interna do novo Maracanã (Foto: Site da Espn)

Belezas à parte, feio foi o que fizeram as pessoas envolvidas no negócio. Desembolsados foram, de cofres públicos, é claro, nada mais, nada menos do que a bagatela de R$ 1,3 bilhão. Isso mesmo que você leu! R$ 1,3 bilhão!!!
O exorbitante valor entrou para a história como um dos maiores gastos para a REFORMA de um estádio.

Na mesma linha, o estádio, que antes pertencia ao governo carioca, agora será entregue, rodeado de polêmicas, à iniciativa privada. Para um público, digamos, elitizado.

A grosso modo, estupraram o antigo “Gigante”. Tiraram-lhe toda a magia e mística construída em mais de 60 anos de existência.

Gerd Wenzel, alemão e comentarista dos canais Espn, disse certa vez que na copa da Alemanha, em 2006, a FIFA (sempre ela!), com sua arrogância de poder peculiar, pediu que o lendário estádio Olímpico de Berlim fosse demolido para que outro então surgisse em seu lugar. Segundo Blatter e sua turma, o antigo templo que abrigou os jogos olímpicos remetia ao Nazismo de Hittler. Isso “pegaria mal” diante dos olhos do mundo.

Ao contrário do que fez o Governo brasileiro, que abriu as pernas dizendo SIM a todos os mandados estapafúrdios da FIFA, o governo germânico disse NÃO. Fez as reformas necessárias, mas manteve a história e a arquitetura do estádio intactas.

Hoje, você olha as imagens e vídeos e desconhece o “Maracanã”.

Para que minha opinião não seja mal interpretada, sou totalmente a favor da modernidade no futebol. Principalmente nos estádios. Mas o que fizeram com o Maracanã é simplesmente revoltante.

Fato é que o “maior do mundo” morreu. O estádio da geral e dos públicos de 200 mil pessoas se foi. E no lugar dele, uma nova Arena surgiu: confortável, moderna e muito, mas muito cara!

Imagem do novo Maracanã (Foto: site da Espn)
Imagem do novo Maracanã (Foto: Site da Espn)


Warning: count(): Parameter must be an array or an object that implements Countable in /home/t990olqj3thq/public_html/wp-includes/class-wp-comment-query.php on line 405

2 thoughts on “CADÊ O NOSSO MARACANÃ? NÃO EXISTE MAIS”

  1. Com certeza, Miguel! É triste ver este cenário, porém já era esperado. Só não tão escrachado como estamos vendo! A Copa não será para o povo brasileiro. Será para “eles”.

    Grande abraço!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *