Arquivo da categoria: Chazinho de Coca

O Futebol, a ironia, as histórias.

NOVE VEZES CAMPEÃO DE TUDO

Restando apenas duas rodadas para o término do já histórico Brasileirão 2016, somente Palmeiras e Santos podem chegar ao título tão aguardado. E será histórica essa edição de 2016 pois sairá dela o desempate e a supremacia dentro do futebol brasileiro. São eles, Palmeiras e Santos, ambos com 8 títulos de campeonatos brasileiros, os maiores vencedores dos certames nacionais. Ao final dessa temporada somente um deles terá 9 conquistas, o enea tão aguardado e já gerador de tanta discussão.

Discussão já debatida em 2010, quando dei minha opinião sobre a unificação:

http://ferozesfc.blogspot.com.br/2010/12/chazinho-de-coca-comparadando-o.html

Você pode ser de enea, pode ser de penta e pode ser de tri, mas não pode ir contra uma história que não começou a ser escrita depois que você nasceu e nem é endossada por nomenclaturas adotadas pela TV ou pelos jornais.

Se o seu negócio é nomenclatura e isso torna Roberto Gomes Pedrosa, Taça Brasil e Campeonato Brasileiro coisas distintas, então está correto pensar que o Palmeiras será pentacampeão brasileiro, caso conquiste o pontinho que lhe resta em dois jogos a disputar. Como também será correto afirmar que o Santos será tricampeão, caso o Palmeiras perca seus dois últimos jogos e o Peixe garanta os seis pontos em disputa.

Aqui surge um problema para o amigo da nomenclatura, já que desde 1971 com a adoção do “novo” campeonato brasileiro, tivemos anos em que o Campeonato Brasileiro foi, na verdade, Copa União e João Havelange. Seus campeões não são, portanto, campeões brasileiros? Quais foram os campeões brasileiros nessas temporadas?

Você pode ser também dos que acham que a fórmula da disputa é que define o alinhamento histórico da conquista. Tendo em vista que mesmo considerando como campeonato brasileiro somente as disputas a partir de 1971, as regras, o número de participantes e os formatos de disputa foram os mais variados possíveis, desde sistemas eliminatórios, sistemas mistos de grupos e pontos corridos. Mesmo dentro dos atuais pontos corridos o número de clubes participantes começou de um jeito e hoje já é outro.

Se você é de fórmula e quer enquadrar Palmeiras e Santos em suas definições de campeões brasileiros, então para você o Palmeiras tem quatro títulos de campeonato misto e agora está perto de conquistar o primeiro em pontos corridos. Já o Santos não tem nenhum em formula mista, no entanto, briga pelo seu terceiro em pontos corridos.

O que não podem nem o amigo fã de nomenclatura e nem o camarada das fórmulas é desprezar a história. E é ela quem sempre disse, antes mesmo da CBF unificar tudo, que Palmeiras e Santos são os únicos clubes brasileiros a terem vencido todos, absolutamente todos os campeonatos que definiram os campões brasileiros ao longo da história do nosso futebol. Uma história que não passou a ser escrita em 1971 nem tampouco no ano em que você nasceu.

Uma história que te obriga a aceitar uma regra óbvia – a não ser que em algum momento sejam retomados o Robertão ou a Taça Brasil, serão estes dois clubes, Palmeiras e Santos, que brigam em 2016 pelo eneacampeonato, se você é de enea, pelo penta, se você é de penta, ou pelo tri se você é de tri, para todo o sempre, os únicos clubes brasileiros a terem vencido absolutamente tudo o que já se disputou de campeonato nacional.

E será somente um deles, a partir do próximo domingo ou ao término da rodada final, o eneacampeão brasileiro. Se preferir: o único clube de futebol nove vezes campeão do Brasil.

 

001-ademir-embaixo-das-pernas-de-pele

NÃO HÁ NOSTALGIA QUANDO SE VIVE ANTECIPANDO O AMANHÃ

Não há nostalgia quando se vive antecipando o amanhã. Assim foi David Bowie, antecipando-se a tudo e a todos, delineando caminhos aos outros, formando tantos outros que em suas obras se inspiraram, que em sua existência forjaram as suas.

Dos hinos ao mais lado-b de sua obra, dos trejeitos ao impacto na moda, das trilhas sonoras de tantas vidas. Assim se vai o maior alienígena de nosso planeta (clichê em tantas e justas homenagens). Fica sua obra, que de tão brilhante continuará guiando a todos nós, das pessoas com bons ouvidos de ouvir e tolerância ao novo, aos que querem ainda continuar nos fornecendo deleites auditivos, performáticos, de vida.

Na busca de uma imagem para ilustrar este post me bastou digitar bowie no prompt do bing e bingo! Os resultados ilustram melhor que qualquer imagem destacada. Em 3, 4 linhas de imagens, 1 milhão de pessoas em uma só. Magnífico, Bowie!

bowie2 bowie2

UM CLUBE QUE NASCEU, DE FATO, PARA SER CAMPEÃO!

Dois dias passados do tão aguardado e comemorado título alviverde, de todos os clichês decantados e textões cheios de evidências de merecimento pululando aqui e acolá, não obstante ao fato de que os excessos da comemoração tenham me impedido raciocinar devidamente na manhã seguinte, sinto que esteja em dívida com o verde e comigo mesmo.

Para tentar não mergulhar em mais do mesmo, resolvi que é hora de falar da missão que era plenamente possível. Plenamente possível, que era a conquista que acabou se consolidando. E por mais que grande parte da mídia ~especializada~ já desse o título santista como certo e que uma parte dos torcedores tenham embarcado nessa, bastava terem feito um rápido exercício de análise do ano alviverde para se entender o quão erradas eram essas precipitadas e alarmistas análises para o lado verde da história.

Por mais que no BR15 a campanha tenha sido aquém das possibilidades, este time, primeiramente com Osvaldo de Oliveira e depois com Marcelo Oliveira, mostrou-se, desde o início do ano, passando pelas boas e não tão boas fases ao longo da temporada, um time cascudo e incrivelmente competente em grandes jogos. O próprio Peixe, que fora dos grandes rivais do estado o que mais complicou a vida alviverde no ano, não tinha assim tantos motivos para crer em duelos fáceis nesta final de Copa do Brasil.

E assim foi, impondo-se como grande que é, como cascudo que voltou a ser e fazendo-se valer de seu histórico de copeiro e de maior campeão nacional, aproveitando-se também do surgimento de personagens que já escreveram seus nomes na história do clube, como Dudu e, sobretudo, Fernando Prass, que o Palmeiras levou a taça com todos os méritos e glórias

Sua terceira Copa do Brasil. Seu décimo segundo título nacional. Sim, são 12. Por mais que a mídia ~especializada~ tente camuflar e sequer menciona a Copa do Campeões de 2000, este foi, também, um título nacional. 12 taças, portanto. Duas a mais que o segundo colocado, o próprio Santos.

Endossando seu papel de maior no âmbito brasileiro, validando mais uma vez seu histórico. Um clube que nasceu, de fato, para ser campeão!

Palmeiras x Santos

UMA FINAL DE REDENÇÃO

Especulações à parte, a real é que o Santos vai para o jogo decisivo da Copa do Brasil com a vantagem de qualquer empate. Ao Palmeiras cabe vencer pelo placar mínimo e, mais uma vez, decidir nas penalidades, onde Fernando Prass costuma ter 5 metros de largura diante dos rivais, mas que já sucumbiu diante do mesmo Santos em penalidades no Campeonato Paulista, ou vencer com diferença a partir de dois gols para comemorar o tricampeonato de forma menos penosa.

Se na Vila Belmiro o Peixe anda imbatível, fora de casa o Santos não repete nem de perto o mesmo rendimento. No BR15 foi apenas um êxito fora de seus domínios. O grande momento técnico do time de Dorival Jr também já passou, por outro lado, o momento técnico do Palmeiras não é bom há muito tempo. Ainda assim, nos confrontos entre Palmeiras e Santos ao longo de 2015, cada um venceu seus jogos em seus domínios pelo placar mínimo, o que se for repetido na próxima quarta levará a decisão para os pênaltis.

Tudo continua tremendamente aberto, ainda que o Santos pudesse ter saído com uma das mãos na Taça quando Nilson perdeu o gol mais feito do ano aos 50 minutos do 2º tempo. Quando Gabigol desperdiçou penalidade sofrida por Ricardo Oliveira e o mesmo Gabigol perdeu gol feito diante de Fernando Prass. Entretanto, o mesmo Gabigol deu a vantagem considerável que o Peixe leva para a finalíssima, anotando um golaço aos 35 do 2º tempo, redimindo-se dos erros anteriores.

Redenção passa a ser a palavra de ordem no Palmeiras. Um time do qual se esperava melhor nível técnico e tático a essa altura do ano, mas que promove ao seu torcedor um ano muito menos dramático que a temporada anterior e que, aos trancos e barrancos, pode beliscar um título gigantesco e abrilhantar um ano de, como já disse, “redenção”. Como para o Santos, que saiu de postulante ao rebaixamento no início da temporada a campeão Paulista e pode fechar o ano como campeão da Copa do Brasil. Tudo isso é superação, tudo é redenção.

Poderia o Alviverde ter saído com um placar bem mais favorável na primeira partida da final, já que Jackson perdeu gol feito nos primeiros minutos de jogo, o que fatalmente mudaria o layout tático da peleja. Poderia também, desde que o árbitro tivesse seguido o mesmo critério de quando marcou a penalidade santista, ter a chance de abrir o placar em penalidade não dada em Barrios. E no caso de penalidade assinalada, David Braz teria sido expulso e o Peixe seguiria o resto do embate com um jogador a menos e com o revés no placar, desde que o pênalti conferido.

O ano de ambos, os jogos entre ambos e os detalhes supracitados mostram algo que enalteci ontem em minhas redes (anti) sociais: Só perde uma final quem chegou a ela. Não existe sorte, existe competência. Não existe apenas gol perdido, existe defesa feita. Existem papéis sendo desempenhados, alguns com mais ou menos eficácia.

Quarta que vem é no Allianz Parque, com 40 mil palmeirenses pressionando do lado de dentro e outros milhares do lado de fora. Milhões de alviverdes e alvinegros pelo país e pelo mundo afora.

Tudo está aberto, todas as possibilidades seguem válidas. Invalidando o discurso do demérito ou da derrota da véspera.

palmeiras X santos

PAIXÃO DESFEITA

E Valdívia, mais uma vez, se foi. Dessa vez, porém, terá ele vindo mesmo em algum momento destes já longos quase 5 anos? No frigir dos ovos, penso que não. Foram raros e rasos os momentos que o palmeirense irá guardar na memória, potencializados pela eterna expectativa em torno do camisa 10.

Diferentemente da despedida em sua primeira passagem, nesta fica a impressão de que o chileno não deixará saudades. Talvez resquícios daquelas que emplacou entre 2007 e 2008, onde fora, sem sombra de dúvidas, determinante para que o Palmeiras atingisse alguns de seus objetivos.

O meia brilha com sua seleção durante a Copa América, o que deixa um gosto amargo ainda maior por conta das tantas vezes em que o time precisou de seus qualificados serviços e não pode tê-los. Valdívia teve brilharecos nestes quase 5 anos, sempre em momentos onde precisava provar algo para alguém, quase nunca em momentos onde precisava retribuir o apoio quase incondicional e cego que a grande maioria dos alviverdes lhe depositaram.

Ele se vai, mais uma vez para o “mundo árabe” e, sabe-se, não deverá retornar jamais. Fica a decepção pelo potencial técnico desperdiçado, mas, sobretudo, por se ver partir um pseudo ídolo que teve tudo para integrar o panteão dos inesquecíveis alviverdes, mas que aparentemente não fez questão de integra-lo.

Meio como aquela namorada que você ama, entende ser amado, mas não enxerga a entrega mútua.

Que o Palmeiras não se permita mais viver esse tipo de pseudo romance.

————

A despedida em 2008:

http://ferozesfc.com.br/chazinho-de-coca-esta-acabando-a-magia/

http://ferozesfc.com.br/chazinho-de-coca-sacramentado-a-magia-acabou/